HomeSem TabusA masturbação feminina é uma forma gostosa de conhecer o próprio corpo

A masturbação feminina é uma forma gostosa de conhecer o próprio corpo

Ei, moça, me diz uma coisa: Você se masturba? Já se masturbou? Muito, pouco ou nunca?! Esse é o tipo de coisa que nunca falamos, não é? O sexo da mulher sempre foi algo que deveria ser escondido. Desde criança, não podemos ficar de calcinha na frente dos outros; os seios começam a apontar e logo temos que escondê-los. A nossa sexualidade precisa ficar bem escondida e ninguém fala nada sobre o tocar-se, inclusive pensar em colocar a mão lá (a não ser na hora do banho para higienização) é pecado. Independente da religião (ou da falta dela), a maioria das pessoas vivem com o peso do cristianismo e o moralismo torna-se a palavra mestra a guiar ações e atitudes. Nosso corpo, portanto, só pode ser compreendido sexualmente após a adolescência.

Apesar de todo o silêncio em torno do nosso sexo, a maioria das mulheres começa a sentir o prazer entre as pernas ainda criança. Começa com aquele travesseiro ou ursinho de pelúcia. Começa quando algo esfrega – ainda que inconscientemente – pela região sexual e o prazer advém. Se é bom, a tendência é continuar e o ato ir tomando outras proporções até que surjam outros meios que explicitem melhor o assunto. Neste sentido, o erótico e o pornô possuem seu papel. Quando descobrem possibilidades de inserir algo na vagina, tudo o que tem formato cilíndrico passa a ser almejado em casos de sexualidade bastante aflorada ou até mesmo por curiosidade. E ainda assim, a busca do prazer permanece sendo considerado imoral; sem contar que há quem se desculpe em oração a cada prazer provocado por dedos e quetais.

A masturbação feminina é a coisa mais linda que existe porque é o nosso primeiro momento consigo mesma, é aquela coisa que a gente faz sozinha e que permite nos conhecermos um pouco mais. Em alguns casos, os pais conversam com as meninas sobre esse auto conhecer-se… mas não é algo comum e, aos que fazem, parabéns. Falar sobre o assunto com as filhas é oferecer-lhe mais segurança e fazer com que ela tenha consciência de que não está fazendo nada de errado, pensar assim evita sofrimentos presentes e futuros. Pense nisso!

 

 

Gostou? Compartilhe
Quantas estrelas merece esse artigo?

Baiana. Graduada em Letras Vernáculas e em Jornalismo. Realizou pesquisa em Análise do Discurso, estudando a produção do discurso pornográfico. Descobriu-se apaixonada por assuntos relacionados ao sexo e a sexualidade. Adora brincar com as palavras e fotografias.

falecom.lurosario@gmail.com