HomeContos HotUm encontro com o professor do TWO

Um encontro com o professor do TWO

Durante muito tempo eu tive resistência em ter aplicativos de relacionamento até que um dia uma amiga me indicou um e eu resolvi baixar. Rapidamente começaram a surgir contatinhos ou crushs. No dia seguinte, um professor universitário comentou minha foto e a partir daí surgiu um interesse múltiplo. Um pouco mais de um mês conversando pelo aplicativo e resolvemos papear no WhatsApp.

Papo vem, papo vai … Eis que chega a hora dos nudes. Mostrar a buceta completamente era um tabu, pois eu não tenho pequenos lábios. Tenho grandes e gigantescos lábios e isso me deixava constrangida, mas o meu teacher me fez sentir a vontade e ainda disse que lábios iguais aos meus eram mais apetitosos. Depois disso, a vergonha foi embora e mostrar a minha pepeca virou rotina.

Fizemos sexo virtual durante várias madrugadas e ele pedia para eu mostrar o meu cuzinho e duvidava que o bichinho fosse virgem. Nas conversas, ele dizia que iria lambê-lo, massageá-lo e arrombá-lo. Eu imaginava a dor e não me empolgava com a ideia de sexo anal. Ele também comentava que tinha uma ereção que durava em média três horas e eu não acreditava.

Passaram três meses, eu estava de férias e pretendia passar rapidamente por Salvador antes de ir para outro estado. Marcamos um encontro. Eu estava ansiosa e assim que eu pisei meus pés na capital, por volta das 5h30, enviei uma mensagem avisando da minha chegada. Ele me ligou e disse que rapidamente chegaria ao meu encontro. Rapidinho ele chegou. Um beijo, abraços e partimos para um motel. Ele era um estranho e uma pitada de medo chegou em mim. Chegamos e fui diretamente para o banho. Vesti uma lingerie preta, passei um óleo no corpo e fui despojar-me naquela cama redonda.

Beijos gostosos, lambidas na orelha, mordidas no pescoço, chupões nos seios enquanto a mão estava dentro da minha calcinha. A barba mal feita começou a roçar minha barriga, em seguida a boca já sugava e puxava meus lábios e eu gemia de prazer. O homem chupava com gosto e enviava dedos dentro da minha buceta. A língua foi descendo até chegar em meu cuzinho. Lambeu, fez uma massagem, penetrou um dedo e depois voltou a fazer oral e dando mordidazinhas.

– “Você quer que eu arrombe seu cuzinho?
A resposta foi sim.
-Minha putinha, quer que eu meta primeiro em qual buraco?
– Na buceta!

E assim o cara fez com gosto. Me comeu em todas as posições possíveis e meu gemido de prazer ecoava naquele quarto. Quando eu estava de quatro, ganhei tapas na bunda e muitos puxões de cabelo. Cavalguei enquanto ele me masturbava. O meu professor estava me ensinando a ser uma puta na cama e eu amei cada ensinamento.

Uma pausa, alguns beijos, ele me virou de costas, começou a passar lubrificante em meu cuzinho e enfiou seu pau grosso nele. Não vi estrelas, vi constelações. Senti uma dor que me fez gritar e ele penetrava devagar, mas o incômodo persistia. Resolvemos parar e voltar a fuder minha perereca. Ele me levou para uma poltrona, pegou o cinto, amarrou em minha cintura. Como um animal galopando, eu fui posta. De quatro, domada, ele me comida, eu tinha orgasmos e era divino.

Estava exausta e pedi uma pausa. Tomei um pouco d’agua e, ajoelhada no chão, chupei seu pau e massageava seu saco. Me pegou pelo braço, jogou-me na cama e me lambeu igual a um gato que se esbalda em seu leite. Voltamos ao sexo anal, a dorzinha foi dando lugar ao prazer e eu fui gostando, dei de quatro, ladinho, coqueirinho e galopando.
Levei um vibrador e ele foi posto dentro da xoxota e o pau continuava no outro extremo. Jesussss! O homem entendia demais dos paranauês e eu estava enlouquecida. Nunca tinha sido comida daquele jeito. Também levei o ovinho vibrador que foi parar dentro da minha buceta junto com o pau do meu amante. Penetração com vibração simultaneamente, minhas pernas tremiam e eu jorrava gozo.

Ele, segurando em meu pescoço dizia: Minha puta deliciosa.

Passava das três horas de sexo e eu não aguentava mais. Voltamos para o oral e eu não sabia que estava tendo outro orgasmo ou se era vontade de fazer xixi. Pedi para ir ao banheiro e ele me perguntou se eu queria mijar, a resposta foi que sim. Ele mandou que eu fizesse eu sua cara, meteu a língua na buceta e igual um cão feroz devorava-a. Eu suava e ele ordenava que eu fizesse xixi ali, mas não consegui. Corri para o banheiro e quando estava aliviando meu desejo, o homem adentra o banheiro, mete a mão na xana e me coloca para fazer oral nele e ordena para que eu lambuze sua mão com urina ou gozo.

Passamos minutos naquele banheiro e eu fiz o que ele pediu. Eu estava fodida e mal conseguia andar e nada do homem gozar. Fomos para a banheira, ficamos trocando carícias e voltamos a fuder. Transar na banheira é uma delícia. Saímos da banheira, ele me amassando, mordendo e pôs sobre a cama e a transa prosseguiu. Arreganhou minhas pernas, fez um frango assado divino, depois um papai e mamãe intenso e meus peitos cheios de mordidas.

Levantou-se! Me puxou pelas pernas, as esticou e pôs em seus ombros. Meu cuzinho voltava a ser comido e o consolo posto na buceta era prazer misturado com exaustão. De ladinho, fui comida do jeito que ele queria, após três horas e meia, aos gritos de “Você é minha puta e eu vou te comer muito mais”, ele gozou. No final, eu me encontrava aos beijos e carícias em seu peito peludo com um cafunezinho em mim e pedindo forças para levantar e ir até o banheiro para tomar um banho.

Ao mestre com carinho, ousadia e vontade de ser sua puta novamente.

Gostou? Compartilhe
Quantas estrelas merece esse artigo?

Baiana. Graduada em Letras Vernáculas e em Jornalismo. Realizou pesquisa em Análise do Discurso, estudando a produção do discurso pornográfico. Descobriu-se apaixonada por assuntos relacionados ao sexo e a sexualidade. Adora brincar com as palavras e fotografias.

falecom.lurosario@gmail.com

Sem comentários

Comente