HomeContos HotDo fogo à faísca

Do fogo à faísca

Tudo começou com um beijo no pescoço, um encosta n’eu, dá um cheiro n’eu. As mãos falavam por si, os corpos diziam pelos dois. Uma bebida feita a quatro mãos seria mais um recurso para esquentar aquele momento que já pegava fogo. No caminho para o ninho, a descrição de tudo o que poderia acontecer. Baco Exu do Blues começou a tocar Bebendo vinho, quebrando as taça/ Fudendo por toda a casa. Assim, começamos pelo corredor.

Bebidas no chão, roupas tiradas, paredes, chão. E o movimento de cada penetração levava-nos adiante em gemidos e prazer. Mete, chupa, morde devagar. Mãos e marcas no corpo e pelas paredes da casa. Sem mais e querendo muito mais, agora em outros lugares: quarto. Se eu divido o maço/Te amo, desgraça, te amo, desgraça – continuou a música e a gente, em cada soltar de fumaça, mais se pegava.

Por frente, por trás, de lado entre coxas e assaltos. A cama era apenas uma superfície rasa. Não havia limites, havia fome. Mais um recurso surge: aquela prótese, consolo, pau de borrada ou quais outros nomes preferirem chamar. Fomos de outra rola, 18cm a mais para completar aquela relação carnal de signos em fogo. Vai, senta firme/Vai, senta, senta, senta. A música se repetia.

Enquanto ele metia aquela a rola a mais, beijava-me. Enquanto ele me desvendava, eu metia todo aquela ostentação em mim mesma. Não havia preconceito, queríamos fazer da penetração o centro das atenções. Em mim, vontade no limite máximo. Nele, gemidos deliciosos sem necessariamente ser aos pés do ouvido. Enfim, jorro. Após, silêncio. Cama molhada e o corpo, em brasa, aquietando e acalentando-se um no outro.

Ao levantar, sol. O dia havia nascido. Nosso corpo estava desperto. Banho. Risadas juntos, um seguir adiante e aquela conclusão de que a vida pode ser bem mais excitante sempre que a gente quiser, basta permitir ao corpo faísca.

Gostou? Compartilhe
Quantas estrelas merece esse artigo?

Baiana. Graduada em Letras Vernáculas e em Jornalismo. Realizou pesquisa em Análise do Discurso, estudando a produção do discurso pornográfico. Descobriu-se apaixonada por assuntos relacionados ao sexo e a sexualidade. Adora brincar com as palavras e fotografias.

falecom.lurosario@gmail.com

Sem comentários

Comente