HomeContos HotDa sala para o quarto

Da sala para o quarto

Aposto que o conto que inicio aqui vai te deixar com muito tesão. Isso porque esse relato é verdadeiro. Certo dia eu estava em casa sozinho e entediado e resolvi entrar numa dessas salas de bate papo online. As pessoas entram nesse tipo de ambiente virtual pelos mais diferentes motivos, alguns apenas para se distrair, para gastar o tempo, para fazer amizades e outros a procura de sexo. Eu já conhecia esse tipo de ambiente, pois já havia entrado nessa mesma sala outras vezes, mas até esse dia ainda não tinha acontecido nada demais, no máximo havia adicionado algumas garotas na minha rede social. Quando muito, havia apenas rolado um bate papo mais quente no próprio site.

Num determinado dia, eu resolvi entrar novamente no site. Comecei puxando papo com algumas pessoas online e logo consegui convencer uma garota a me adicionar na sua rede amigos, na época era o MSN. Havíamos começado um papo quente ainda na sala de bate papo e logo daríamos continuidade no MSN. Sempre fui bom com as palavras e logo ela me disse que eu a havia deixado com muito tesão, por isso ela me adicionou.

Depois de conversarmos bastante e falarmos bastante sacanagem, ela me disse que estava com muita vontade de me conhecer pessoalmente e deixou claro que adoraria que eu fizesse tudo o que havia dito pra ela no chat. Era tarde da noite e eu, ainda inseguro quanto a esse encontro, acabei desistindo de encontrá-la naquela noite, mas prometi que o faria em breve. Era véspera de feriado e eu teria que viajar logo na manhã seguinte, também estava pouco a vontade, pois estava bastante resfriado.

No dia seguinte, eu viajei e só retornei dois dias depois, já me sentindo bem melhor em relação ao resfriado, estava com meu potencial elevado e decidido a levar o projeto adiante. Naquela mesma noite, liguei meu PC e entrei no MSN, e lá estava a garota, dei boa noite e ela respondeu prontamente “olá sumido”, conversamos um pouco e ela logo perguntou “ta afim de me conhecer?” e eu disse “claro”. Era umas 10hs da noite quando ela me passou o seu endereço e telefone. Para minha surpresa, seu apartamento era muito próximo de onde eu morava. Ela me deu o número do apartamento, em seguida anunciei que iria tomar um banho e já sairia logo em seguida. Assim que terminei meu banho, passei meu melhor perfume e pus os pés na rua.

O prédio onde ela morava era realmente muito perto, éramos praticamente vizinhos, levei poucos minutos até chegar ao apartamento dela. Toquei o interfone, ela atendeu e me disse “sobe”. Empurrei o portão e comecei a subir as escadas, depois de muitos degraus eis que a encontro na porta de seu apartamento a minha espera. Nos cumprimentamos e ela me convidou para entrar. Começamos a conversar de forma descontraída, tomamos vinho em sua mesa e comemos alguns salgadinhos, até então estávamos apenas nos conhecendo.

Em sua sala havia um sofá e logo eu a convidei para nos sentarmos lá. Ela aceitou meu convite e fomos para o sofá. Ali comecei a soltar as minhas garras, meu plano estava começando a se cumprir. Comecei elogiando por sua beleza e logo eu estava mordendo seu pescoço e acariciando seus pequenos seios. Ela era uma menina magra, aparentava ter uns 23 anos de idade, mas tinha um belo bumbum, enorme para o seu tipo físico. Isso me deixou bastante excitado. Não foi difícil ter uma ereção ainda no sofá. Mas até então meu pau estava devidamente guardado. Depois de alguns amassos, ela se levantou do sofá, me pegou pela mão e me conduziu até o seu quarto. Eu começava a me soltar também. Fiquei de pé na cama e ela logo quis conhecer o que eu tinha para aquela noite.

De joelhos em minha frente, ela começou acariciando o meu pau, ainda por cima da calça e logo se pôs a desabotoá-la. Fiquei somente de cueca enquanto ela mordiscava meu pau por cima da cueca, deixando ainda mais duro. De repente, ela levemente baixou minha cueca e meu pau saltou para fora, duro como rocha. Ela logo caiu de boca sem meias palavras, me fez um boquete guloso com muito tesão. Aquela garota que eu havia conhecido na sala de papo agora tinha meu pau em sua boca e o sorvia como se estivesse chupando um picolé de sua preferência. Me levou ao delírio com um boquete delicioso, engolia o meu pau por partes, colocava um pedaço na boca, depois mais um pouco, e mais um pouco, até chegar na base do pau, aquilo me deixava louco de tesão.

Deitei na cama e ela continuou naquela brincadeira safada com a boca. Ficamos assim algum tempo quando resolvi levar a brincadeira mais adiante, peguei uma camisinha no bolso da calça e ela se deu ao trabalho de encapar meu caralho utilizando a boca. Partimos então para a penetração, eu queria foder aquele rabo guloso. Pedi que ficasse de quatro, aquele bumbum maravilhoso era um convite que eu não poderia dispensar e, com jeitinho, penetrei naquela boceta que já estava bastante molhada naquela altura do campeonato.

Comecei as minhas bombadas com vontade e logo estávamos gemendo de tanto tesão. Depois de muitas bombadas, resolvi fazer a posição que mais me agrada, deitado com a garota por cima de costas para mim. Assim, ela começou a tomar as rédeas da trepada e fodia o meu pau com vontade, subindo e descendo numa velocidade deliciosa. Isso me levou ao delírio e quase ao clímax, mas consegui me conter e guardar o gozo para um grand finale. Mudamos novamente de posição e comecei a comê-la no papai e mamãe, uma socada deliciosa que me fez sentir vontade de gozar novamente, dessa vez eu não iria resistir.

Depois de algumas socadas naquela posição, anunciei que iria gozar, retirei rapidamente a camisinha e gozei nos peitinhos dela, enchi de porra quente. Ela ficou ainda com mais tesão e continuou a me agradar batendo uma punheta com meu pau ainda latejando na tentativa de retirar mais porra quente. “Que delicia!” eu disse, ela sorriu e me disse “safado!”. Me levantei e fui tomar um banho, ela me acompanhou e, em seguida, voltamos para o quarto para terminarmos a noite dormindo coladinhos. Só deixei o seu apartamento na manhã seguinte plenamente realizado e tendo a certeza que aquela sala ainda me renderia outras boas trepadas.

 

Conto escrito por um belo despudorado.

Gostou? Compartilhe
Quantas estrelas merece esse artigo?

Baiana. Graduada em Letras Vernáculas e em Jornalismo. Realizou pesquisa em Análise do Discurso, estudando a produção do discurso pornográfico. Descobriu-se apaixonada por assuntos relacionados ao sexo e a sexualidade. Adora brincar com as palavras e fotografias.

falecom.lurosario@gmail.com

Sem comentários

Comente