Sem Tabus

Na penumbra, no claro ou no escurinho…

Sexo é um ato que envolve exposição. Expor o corpo e as partes íntimas que normalmente escondemos, ora por uma questão cultural ora higiênica, quando diz respeito às roupas consideradas íntimas, revela o ponto máximo de intimidade entre duas (ou mais) pessoas, mas que nem sempre é permitida total ou parcialmente.

Ao fazer sexo, alguns preferem que as luzes estejam bem acesas para ver tudo de si e do outro, alguns preferem as luzes apagadas para que o ato seja apenas de sensações táteis e palatáveis, outros priorizam a penumbra, ocasionando uma relação do ver e não ver entre quatro paredes (ou parede alguma). Essas três categorias, que envolvem o ambiente de realização do coito, podem ser descritas de forma ainda melhor e mais detalhada.

A relação, quando ocorre no claro – em ambiente hiper claro – costuma significar desinibição. Pessoas desinibidas não tem vergonha de seu corpo, gostam de se mostrar por completo e de fazer todas as caras e bocas para agradar o parceiro (ou parceira). Além do mais, a claridade permite ver as feições do outro e reconhecer nele o prazer. Sexo no claro é para aquelas que são mais fogosas e querem acompanhar cada detalhe deste entrelaçamento de corpos (Ui! Chega arrepio!).

Uma das minhas leitoras disse que só fazia no escuro, quando descobriu que rolava no claro..achou o bicho. Hoje só curte fazer com todas as luzes acesas e, de preferência, olhando no espelho. Fala sério, ela sabe ser gostosa! Uma outra, também leitora e despudorada, alegou que gosta de fazer no claro e que apesar dos defeitos que seu corpo possui, acha até melhor exibi-los… e sabe o que eu achei dessa revelação? Perfeita!

Temos que nos amar como somos…e sem contar que celulite, estria e essas coisinhas nem são defeitos, são gostosuras. Os homens, que eu questionei a respeito disso, disseram que preferem o claro. Como já sabemos, eles são mais visuais e gostam de ver a mulher e seus contornos, gestos e expressões. Contorcer-se e gemer é, para eles, elevar o ego.

Para quem gosta de fazer no escuro, há muitas ressalvas, viu? Apesar do escuro permitir com que se trabalhe ainda mais os sentidos, o escurinho também pode ser uma forma de se esconder. Esconder-se é para os fracos, viu? E nós precisamos ser despudorados, o sexo é o melhor lugar para nos soltarmos!

Já a penumbra é outra coisa. Nela, você vê e não vê. De acordo com uma leitora, “Gosto da penumbra, gosto de ver entrando e saindo, por isso não gosto da completa escuridão. Gosto também de ver as caras de prazer, mas a penumbra é interessante por não deixar totalmente claro, a luz às vezes atrapalha, até os olhos ardem e a penumbra ainda causa aquele mistério de sombras…é uma delícia!”. Assim como a leitora, eu acho que o ambiente fica mais aconchegante e dá um clima mais gostoso de eroticidade.

Agora, o mais importante de tudo é não sentir vergonha do seu próprio corpo, é transar livremente e sem preceitos morais os seguindo. O importante é amar, foder e se lambuzar!

Jornalista. Baiana. Leonina. Feminista preta. Apaixonada por tudo o que diz respeito a sexo e sexualidade. Palavras e fotografias são suas taras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.