HomePosts Tagged "liberdade"

A fotografia tem um modo particular de nos falar algo, ela representa a liberdade ou repressão em que estamos inseridos. Muito mais que isso, ela representa o que há dentro de nós. Desse modo, a gente expõe o fato de sermos libertas e, devido a isso, sofremos o risco de sermos apontadas como imorais, pois o ato de se despir ou de simular as vontades do corpo ficam fixadas no clique de uma lente e podem ser vistas a torto e a direita quando colocadas nas redes sociais. Assim, algumas fotos são julgadas de forma injusta por quem sofra de recalque aguda e não consegue ver a beleza – não só externa, mas interna – na explicitez do outro.

Não é de hoje que ouço e sofro indignações. Fotos de praia, com decote, barriguinha do lado de fora ou olhar mais provocador são reprovados por uma classe advinda de gerações passadas ou por pessoas que compreendem a sua vida como um ambiente raso e cheio de limitações. Para alguns, seremos condenados ou castigados por ações que no mostrem o quanto somos lindas e nos amamos. Para nós, viver é libertar-se e isso inclui a fotografia e a exposição dela. Afinal, fotografar e não mostrar nem vale tão à pena assim.

 

Fotografia: Lu Rosário

 

Ao questionar sobre os limites na fotografia, em um bate papo entre mulheres, uma fotógrafa mostrou seu indignar-se por colocar fotos mais ousadas em sua rede social. Como forma de protesto, ela intitulou o seu álbum como “Pq a sociedade e seu puritanismo idiota me cansa!” e a descrição para este foi: “O corpo é meu! Lido com ele do jeito que quero e acho melhor! O que se Fxxx todas as pessoas que ficam se achando donas da verdade, que ninguém pode mostrar nada de si que já vem um puritano sem base e diz que ta errado! é só corpo, pele..ossos..todo mundo tem! Para quê tanto esconder!!?? MOSTRO MESMO! VERGONHA ZERO! Sou feliz assim! Me amo assim! Corpo é casca! Liberte sua mente porque corpo é o menor de nós!”

Assim como a fotógrafa em questão, eu acredito que ninguém deve se sentir afetado por manifestações corpóreas minhas. O corpo é meu e se eu o represento assim é porque tenho me sentido muito bem comigo mesma. A partir do momento que me incomodo com a exposição do outro é porque me sinto reprimida – esta não é a vida que eu quero pra mim.

 

Fotografia : Victor Paiva Leite

 

Na foto acima, publicada em homenagem ao dia da mulher, ela salienta a beleza da fotografia e agradece ao rapaz que a acompanha. A partir dessa foto, peço novamente que a olhem e me digam qual o erro contido nela. Acredito que o explícito está na técnica. Quando olhamos para a imagem acima, vemos penumbra, cuidado e intenções, mas nada está posto à mesa. E se estivesse, mulheres comuns não costumam ser fotografas estilo pornô.

Incomodar-se com o outro e agredi-lo por conta do despertar de sentidos provocados pela foto ou por um resultado da construção histórica a qual fomos submetidos é esquecer-se das lutas femininas e dos direitos conquistados. Para não sair do ditado popular, é não se preocupar com o seu próprio pé e chulé. É, mais do que um jogar de palavras minhas, não olhar-se no espelho e se reconhecer tão linda quando aquela quem foi fotografada.

Lembrando-me daquela história de uma língua e uma boca que o exige dentro de si, Eu quero na minha boca, resolvi fazer uma sessão de fotos bem instigante. Sabe aquela foto inocente, entre aspas, que pode despertar imaginações? Pelo menos, essa foi a minha tentativa de provar que não é preciso ser explícito para dizer tudo o que sua língua adora fazer.

O bom do sexo é permitir-se aos pensamentos mais libertinos e, consequentemente, senti-los todos em momentos de maior intimidade. Se já estiver com água na boca, então prepare-se para ficar ainda mais. Depois, pode aproveitar-se da boca ensalivada e enchê-la dos outros atributos que só ele tem. Para ela, em breve rolará um outro ensaio tão provocativo quanto.

 

Minha língua 01

DSC_1156

DSC_1157

DSC_1158

DSC_1162

 

Lamber, chupar e se saborear: são essas as três palavras que definem o gosto, a textura e a medida do pau. A mulher logo percebe se vale a pena continuar quando sente o quão delicioso foi tê-lo na ponta da língua. Para quem brincou com as imagens, então continue a se lambuzar – não tem problema algum.

 

Alguns momentos são puras sensações. Eles são constituídos de outros, de nós desatados do corpo e de entregas. Pode envolver algo a ser digerido, entre comes e bebes que causam sensibilidades, arrepios e possibilidades diversas. Assim, foi a noite desta leitora do Pudor Nenhum. Após uma encontro delicioso, ela transfigurou-se em poesia e resolveu nos contar um pouco esta sensação com mais dois na cama.

 

Fins de semana, meio de semana, há tempo pra se amar? Há tempo pra se entregar? Todo dia é dia, toda hora é hora, o corpo tem sede, a alma pede uma ”boa sacanagem” de vez em quando, e novas experiências são sempre bem vindas, tenho levado uma vida corrida, não por falta de tempo, mas por falta de interesse de andar pelas ruas da cidade, presa dentro de um corpo que quer se libertar, e decidir libertar, sempre bom conhecer novas pessoas, e melhor ainda quando essas pessoas trás consigo coisas boas para nós, noite linda, animada, esperamos por algo bom e vem recheada de algo melhor, um porre de lascar, uma puta consciência de saber o que estava acontecendo, calma, respira, agora sim, vai lá garota, talvez seja sua hora, talvez não, respire, isso, agora é sua vez, se eu me lembro por onde comecei? Não! Se eu me lembro quem me tocou primeiro? Não! Mas descobrir que as melhores delícias da vida são aquelas que lembramos apenas das sensações, sabe quando você só quer uma coisa e lhe aparece três de uma vez? E se um é bom, dois é bom demais, três é de se enlouquecer, confesso que tenho vivido momentos maravilhoso, me permitindo saber o que quero, o que posso e o que aguento. Depois de uma mega experiência com 3 na cama posso confessar que tem que ter muito pique , e o psicológico bastante preparado pras ”crises de ciúmes”, mas só tenho uma coisa a dizer, se permita, se liberte, viva. Momentos são únicos, oportunidades de se sentir bem, também. E a vida está aí para ser vivida. Espero que tenham gostado.

 

Quem nunca experimentou aliar-se a outros dois no compartilhamento de prazeres, não sabe o que está perdendo. Mas tudo deve ser feito por uma questão de escolha, o psicológico (principalmente) deve estar preparado o suficiente para essa explosão e despudor que o corpo conclama. Essa leitora escreveu lindo demais, não é? Estou aqui de boca aberta com tanto lirismo em um assunto considerado tão pornô. O gostoso do Pudor Nenhum é despertar esse sentimento de redirecionar a vulgaridade para seu lado mais erótico e sensual. Ai, gente, amei! Se quiser contar sua história também, é só escrever pra mim. O contato está aqui, na barrinha superior do blog, mas caso queira – é vai: contato@sempudor.com.br. E mais uma coisa: a foto, que ilustra esta publicação, é dela. Sempre que os leitores nos enviam fotos com autorização, a gente  divulga. Caso queira só enviar a foto e não escrever nada, sinta-se à vontade também.

 

Fazer do movimento o instante-certo. Torná-lo delicadezas do corpo e observá-lo arte. Este é o trabalho de Rebeca Reis, uma conquistense que começou a transbordar em fotografias recentemente, mas que já mostrou às redes sociais o quanto consegue desprendimentos e feminilidades frente às lentes. Tanto quanto capturar o corpo e os transbordamentos alheios, a própria fotógrafa apresenta-se diante das câmeras como uma forma de enfatizar sua autoestima. O despir e ver-se em outra projeção proporciona olhares antes não observados perante o espelho. Tal como ela mesma disse, “a fotografia é um modo de me conhecer e conhecer o feminino, a feminilidade. É meu auto-conhecimento. Além disso, o ato de fotografar é uma liberdade… no sentido de ter me descoberto e aprender a me amar”.

 

26a

Autorretrato

 

Diante disso, Rebeca também nos falou sobre o resultado que vê nas pessoas que por ela são fotografadas.

 

Eu vejo que cada uma tem suas limitações e vergonhas; mas, quando vou fazer um trabalho, eu procuro fazê-lo do jeito que a pessoa é. Se ela for tímida, menos luz e muita música, muita conversa e algum livro pra ela ler. Se for mais extrovertida e liberal, música..MUITA música calma pra não focar no sensual e sim no feminino.

 

Com toda essa atmosfera rítmica que perpassa os bastidores da fotografia, só penso que deve ser muito bom se deixar inebriar diante de suas lentes. Já acertamos que algumas próximas postagens minhas já contarão com seu olhar. E, para não restar dúvidas, a feminilidade tem a ver com as particularidades que a enquadram no sexo feminino. É algo bem cultural, marcante e que acaba nos apontando personalidades. Para nos encantarmos ainda mais, vamos apreciar mais algumas de suas fotografias.

 

_DSC0375Aa

_DSC6089a

12006231_1623993077853867_5786084972045047694_n

 

Vale salientar que o feminino está também em casais, mães, gravidinhas e meninos. O trabalho de Rebeca Reis é maravilhoso. Quer quiser conhecer um pouco mais e também se permitir fotografar, acesso a Fan page Guardando Momentos dessa musa. Ela fotografa em Vitória da Conquista, na Bahia, e, assim que tiver um tempinho, caio nas garras dela. Já que me inspirei um bocado por aqui, deixa eu ir ali escrever um próximo texto e suspirar.

Há 15 dias, eu estava em Salvador e é claro que – em cada muro escrito, pichado ou carimbado com eroticidades – eu precisava fotografar para mostrar-lhes. Meus olhos brilhavam quando via sexualidade e autoafirmação pelas ruas, é aquela coisa de realmente se encontrar. Como vêem na imagem acima (e em todas as outras..rs), a apropriação da mulher fica bem clara. Ela é dona dos seus prazeres e possui a liberdade para se soltar das amarras de uma sociedade machista. Esse imperativo “Libere a Maria e o Orgasmo!” é mais do que certo e tem tudo a ver com o Pudor Nenhum até porque quem vos fala é uma mulher que se declara livre, apesar de alguns grilhões que a vida lhe coloca.

A imagem abaixo me deixou surpresa pela sutileza da imagem em contraste com a expressão “Xotas livres”. Em outras palavras, remeteu-me ao fato de trazer uma representação de leveza – costumeiramente relacionada ao sexo feminino, que é a borboleta – e de mostrar que a mulher pode se expressar como ela quiser porque o corpo é dela (simplesmente). Independente de ser xota, perseguida, xibiu, boceta ou o que mais você quiser falar – quando a questão envolve a si mesma, ela se refere como quiser e isso é uma delícia.

 

Xotas livres @muronacara

Muro carimbado na praia da Barra, em Salvador. Fotografia: Lu Rosário.

 

O @muronacara me era desconhecido, então resolvi pesquisar e me deparei com o Instagram Muro na Cara e mais uma série de imagens no Google. Não entendi completamente qual o objetivo deste movimento, mas percebi que tem muito a ver com o dizer o que quer, escancarar verdades e mostrar-se liberto de moralismos. Isso tudo já é muito bom e me deixa de olhinhos brilhando. Além do dito, acima da imagem, falar de toda essa autoafirmação feminina é lidar com o empoderamento da mulher, que significa uma transformação no conceito que ela tem de si na sociedade e isso altera, em muito, a sua autoestima. O não empoderar-se nos torna submissas e submissão, em nosso dicionário, só se for no sadomasoquismo, né?

Para encerrar, esta próxima imagem também é uma lindeza e até relembra o texto “A masturbação é uma forma gostosa de conhecer o próprio corpo“, publicado dia desses, aqui no Pudor Nenhum. Como sabemos, o ato de se tocar sexualmente favorece que nos conheçamos e entendamos como nosso corpo funciona ao receber prazer. Em outro sentido, a frase “Menina, se toque!” pode se referir ao fato de abrir os olhos e não se permitir ser violentada. Quem disse que somos sexo frágil é porque não pensou duas vezes. A delicadeza com que nos vestem vai além do que realmente somos, tô mentindo?

 

Parede da Uneb/campus Salvador. Fotografia: Lu Rosário.

Parede da Uneb/campus Salvador. Fotografia: Lu Rosário.

 

Espero voltar em Salvador ou andar por outros lugares e encontrar dizeres como esses pelas ruas. Claro que constituem uma poluição visual, mas mostram que existem pessoas com pensamentos maravilhosos por aí e isso me deixa feliz e menos culpada com a questão ambiental. Se passarem por algum lugar tão lindo quanto os que eu passei, tira foto e compartilha conosco que irei (ou iremos) adorar!

Tem gente dizendo que é moda assumir os próprios cabelos em muitos cachos. A partir de agora tornou-se moda ser original no sentido literal da palavra. Quem aqui é mulher com cabelos crespos que nunca passou um alisantezinho no cabelo, deu uma escova, passou uma prancha ou caiu na escova progressiva, gradativa, marroquina e laralá? Se você nunca caiu nas garras da tentativa de ter os cabelos lisos ou menos volumosos, então já te dou o primeiro trofeu aqui do Pudor Nenhum, afinal, resistir a tudo isso numa sociedade onde beleza está associada aos cabelos lisos é coisa de guerreira e de personalidade fortíssima, além de mostrar que sua família é tão forte quanto você para que não a tornasse diferente quando criança.

A maioria das mulheres já alisaram o cabelo, senão quando criança…um pouco mais tarde, diria na adolescência, para se achar mais bonita e atrair os olhares dos meninos. Construídos sócio, histórico e culturalmente, os cabelos crespos possuem sua origem num povo que fora escravizado no período colonial do Brasil e cujos descendentes sofrem preconceito até hoje. Enquanto brasileiros, somos uma mistura entre negros, europeus e índios. Nossa pele e fios de cabelo variam imensamente em tonalidades e texturas, permitindo que sejamos tão diferentes umas das outras ou uns dos outros. Porém, preza-se a lisura ostentada pelo europeu e o preconceito do que foge a este padrão se acentua todos os dias e dos mais variados modos, até mesmo por aqueles que também carregam cabelos crespos.

Com essa tendência maravilhosa de assumir os cachos e reconhecer seus próprios cabelos sem químicas nem bobeiras, muitas mulheres têm buscado força na outra para mostrar o porquê veio ao mundo. Algumas preferem e se encorajam no BC (Big Chop), que significa cortar todo o cabelo para retirar toda a química. Além disso, formas de se cuidar do cabelo tem sido divulgadas nas redes sociais. Já que os salões de beleza não possuem a opção de cuidar de cabelos crespos, então o compartilhamento de produtos e experiências ajudam para que este cuidado comece em casa.

 

Organizadoras do Encrespa Conquista, em Vitória da Conquista - BA. Fotografia: Ernaque Al Majida Jr.

Organizadoras do Encrespa Conquista, em Vitória da Conquista – BA. Fotografia: Ernaque Al Majida Jr.

 

Responsáveis por um domingo com muitas encrespadas, o evento Encrespa Conquista aconteceu antes de ontem em um local lindo no bairro Sinhorinha Cairo. Todas elas tomaram um banho de autoestima para que pudessem compreender que preconceito algum deve abatê-las e que a força deve vir de dentro. Viver escrava da opinião alheia e com medo de suar, sair no vento, na chuva ou até mesmo tomar um banho na praia ou piscina é sufocante. Saber que o cabelo é seuzinho da silva não tem preço.

Para ser linda de verdade, a única coisa que se deve ter em mente é ser você mesma sem tirar nem por. É vestir o que te deixa mais a vontade, é usar acessórios ou não – isso é o que menos importa, é sorrir desmedidamente e se aceitar do jeitinho que veio ao mundo, sem neuras. E dizer que isso é moda chega a ser engraçado. Se for moda mesmo, estou (ou estamos) seguindo a tendência e não vou (vamos) sair dela nunquinha, não é?

Para saber mais sobre o Encrespa Conquista, acesse a página no Facebook e o Instagram. É lindinho e promete outros eventos na cidade. Para saber como anda a empolgação de quem resolveu mostrar os cachinhos, futuque bastante a internet- não faltam fan pages, blogs, sites e canais no You Tube com ótimas dicas. Lembre-se que a sensualidade que vai emanar de você quando se sentir plenamente a vontade consigo mesma é algo incomensurável.

Aos homens, sintam-se à vontade para fazer o mesmo. Fiz esse texto voltado para as mulheres porque sabemos, claramente, que elas são as mais atingidas. Homem tem aquela coisa de cortou e tá lindo. Nós é quem somos elas nessa tal de vaidade e de feminilidade que nos toma. Pois então, liberdade – a partir de agora – é o que nos define.