HomePosts Tagged "beijo"

A gente cresce beijando o rosto, o olho, a testa,  braço e qualquer outro lugar onde o carinho está. Depois, a gente compreende o carinho em outras nuances e quer transpor este beijar para um outro lugar: a boca. Sentimos aquela curiosidade e temos medo de fazer feio, então começamos os testes na laranja, no espelho, na mão. Fechamos os olhos e imaginamos quem queremos beijar, afinal, o beijo na boca é aquele que aponta intimidade e que só se dá no momento em que a atração grita.

Entretanto, não é bem assim. Quando a gente começa a beijar, ele passa a ter muitos sentidos e, entre eles, o de ser apenas um beijo. A ficada é assim: colou, beijo bom, largou e pronto. Só que beijar na boca vai além de dois lábios se atracando e duas línguas se saboreando. Ele é praticamente um exercício físico. Há cinco benefícios que vale a pena salientar, tais como a queima de calorias. De acordo com pesquisas, beijar ajuda a queimar de 2 a 6 calorias e o melhor é que a gente não cansa. Beija horas e continua achando uma delícia.

Conforme a Popular Science, trocar beijos, antes da gravidez, é uma forma de fazer com que o organismo crie resistência aos pequenos vírus que são introduzidos nesta troca. Então, mamães, beijar faz bem, viu? Interessante demais essa informação. Super curti! Além do mais, quem beija se sente mais relaxado. Estudos apontaram que os níveis de cortisol, o hormônio do estresse, reduzem em pessoas que beijam muito. Já quero!

O beijo também alivia sintomas de alergia. Como assim? Casais que se beijaram por 30 minutos tinham menores níveis proteínas que desencadeiam sintomas de alergia, concluiu um estudo japonês. Acho que agora já sei o que devo fazer para ter menos crises de alergia. Humm. E beijar também estimula a produção de saliva, limpando as bactérias nocivas e que se encontram em nossa boca. Assim, a gente conclui que beijo na boca também contribui para nossa higiene bucal.

 

O beijo começa de diversas formas, provoca de vários modos diferentes. Alguns deles são leves, outros são mais fortes. Alguns trabalham mais a línguas, outros a isentam. Há beijos bitocas e beijos chupões. Existem beijos apressados e rápidos ou beijos lentos e bem demorados. Beijo é aquela coisa gostosa que, às vezes, permite um sorriso logo após acontecer. Ele, inclusive, promove a paz entre casais em tempos de crise.

Beijar, definitivamente, é um ato de carinho e de permissão. O beijo é algo que nossos lábios reconhecem desde que nascemos. Independente do sentido que lhes for atribuído, beijar é bom demais. E eu quero mais é beijar na boca, eu quero mais é beijar na boca e ser feliz daqui pra frente pra sempre – assim cantou Cláudia Leite e assim eu quero levar pra vida. E você?

 

A primeira vez a gente nunca esquece, dizem as línguas por aí – até mesmo antes de trabalhar em outras línguas – e é verdade, pelo menos para mim e para uma legião de gente que conheço. A primeira vez, após uma certa idade, começa a nos fazer sentido e trazer grandes lembranças. A gente sempre lembra a primeira vez que viajou sozinho, que dormiu na casa de um amigo, que arriscou preparar algo na cozinha. Também sempre lembramos nossas primeiras experiências mais íntimas, como a primeira vez que nos tocamos, que ejaculamos e – nada mais, nada menos do que o nosso primeiro beijo na boca.

Pode ficar pasma (ou pasmo), mas, em matéria de beijo, minha experiência começou muito tarde. Dei meu primeiro beijo com 18 anos e o meu segundo com 20 anos. #prontofalei. Agora dêem mil risadas antes de eu continuar. Riram? Senta aqui, vamos conversar: eu era uma moça muito centrada nos meus estudos, achava que começar a namorar me acarretasse desvios de meta. Depois que rolou esse beijo primeiro, o segundo demorou muito devido a minha timidez. Como eu era tímida e não me sentia à vontade em festas, preferia ficar em casa. Dentro de casa, a gente só beija mão, parede e espelho.

Durante todo este tempo que não beijei, ficava em minha cabeça que eu não saberia como agir quando acontecesse de novo. Além disso, a lembrança que eu tinha era em flash, parecia mais um sonho. O cara sumiu e se me perguntarem o nome dele, digo que não faço ideia. Na época, eu era chamada de BV (boca virgem). Não tinha vergonha de nunca ter beijado, então, se me perguntassem…eu dizia a verdade. A galera batia resenha e tal, mas eu não tava nem aí.

Sabe por que estou contando isso? Porque pediram-me para escrever sobre nunca ter beijado aos 20 anos. Apesar de ter dado um beijo aos 18, minha experiência válida e contínua de beijações iniciou-se aos 20 anos. Não me achei bicho de sete cabeças entre meus amigos por causa disso. Cada um  tem seu momento para suas primeiras vezes. Além do beijo, eu era recorde em “primeiras vezes” na faculdade e levava isso na esportiva, dizendo que faria um livro tal qual o dos recordes.

Agora, depois de saber que a delícia aqui também é como você, ainda vai se preocupar com isso de já ter beijado ou não? Tudo é uma questão de tempo e quando esse tempo vem, o despertar é tão grande que, armaria, é gostoso demais. Não é à toa que estou aqui com milexperiências e cheia de ousadia pra vocês. Permita-se e não ligue para o que disserem. Você sabe que sua hora vai chegar e você vai saber aproveitar até a última gota.

 

Sem ter nem pra quê,

sou entrega constante e lisongeira.

Apego-me aos detalhes,

rasgo inteira as minhas vontades.

 

Sem eira nem beira,

lasco-lhe um beijo,

ranco um pedaço de toda essa sua coragem

em buscar sentidos nas frestas de adrenalina.

 

Como todo desatino,

concedo gozo,

sou tesão desmedida

em braços, pernas e amassos.