HomePosts Tagged "PudorNenhum" (Page 11)

O homem é aquele ser que precisa mostrar-se sempre desejoso às práticas sexuais. A nossa cultura instituiu isso como verdade e pensar nele enquanto aquele que não cumpre com as tarefas de proporcionar prazer é, conforme a expressão popular, não dar no couro. Todo relacionamento preza pela intimidade e entrega porque é justamente esses momentos que permitem ao casal estarem juntos, logo, qualquer falha faz com que o homem se sinta menos viril justamente pelo fator histórico apresentado acima. Além da virilidade, relacionamentos não se sustentam de forma saudável quando um dos dois não consegue dar prazer ao outro.

Pensando em evitar constrangimentos para a ala masculina e, também, em alavancar relacionamentos, a Intt criou o Pegasus e realmente deu aquele up em mastros que já estavam perdendo a sua majestade. O Pegasus tem um nome interessante que não me custa nada explicar com todo o carinho que vocês merecem.

 

Escrito no latim como Pegasus, este refere-se a um cavalo que está sempre disponível e que não morre. Assim eu resumo a informação acima e pergunto se tem alguma relação com o homem e seu instrumento. Claro que tem! O produto de mesmo nome é natural, sem contra indicações e poderoso quando o assunto é deixar o homem mais potente e confiante. Segue o modo de aplicação para não haver dúvidas!

 

 

Depois de usá-lo, você vai sentir um forte estímulo e aquecimento no pênis. Vai se sentir o próprio, o diferentão, o gostosão, a última bolacha do pacote. E vai ter toda razão de sentir assim, pois a sensação que irá sentir vai deixá-lo excitado e prontíssimo para causar estrondos na cama ou seja lá onde estiverem.

O Pegasus é um gelzinho verde e com ótima consistência. O aplicador é super fácil também, então não tem desculpas para não experimentar. Procure um consultor mais perto de você por meio do Sex Shop Market ou vá a um Sex Shop para adquirir o seu. Depois, vem me contar o que achou. Leitor Pudor Nenhum não pode ter vergonha, hein?

Se eu fosse me definir, assim o faria: Mulher, negra e escrevo sobre sexo. Qual o problema nesta definição? Aparentemente nenhum, mas na prática há uma série de problemas que levam ao preconceito.

Enquanto mulher, nosso lugar no mundo já não é lá essas coisas. Afinal, toda mulher nasce predestinada a ser uma criança que precisa usar calcinha o tempo todo e que, quando os seios começam a surgir, precisa escondê-los. Ela deve crescer num mundo cor de rosa ou de cores neutras estilo aquarela e brincar de casinha e bonequinha. Toda mulher deve se maquiar, usar vestido e salto alto. Além do mais, casar e ter filhos faz parte de suas possibilidades de sucesso. Ser feminina, pelo menos, é uma exigência. Isso engloba cuidados com a pele, com o corpo, enfim, ser vaidosa.

Ser mulher já é uma grande carga e, por si só, engloba uma gama de preconceitos que a coloca no lugar de sexo frágil, delicadeza e mimimis. Mulher, muitas vezes, é aquela fútil. Sempre é quem deve cuidar dos filhos, da casa e, quiçá, do marido. Deve perdoá-los pelos erros e, ah, não pode trair nunca. Mulher que desconta chifre é vagabunda. Poderia ser qualquer outra coisa por um olhar mais amor próprio da vida, mas não – ela perde o valor porque mulher tem prazo de validade.

Mulheres negras valem menos ainda, pois carregam uma carga histórica que – somente pela cor da pele – já as incluem como inferior. Juntando esses dois fatores – mulher e negra – mais difícil fica, isto é, mais preconceito a enfrentar.

Cor do pecado quando querem elogiar; cor de sujo, de lama quando querem humilhar (outros adjetivos dependem do bom senso de quem fala, mas há muita gente no mundo sem senso algum). A mulher negra nem sempre ouve adjetivos claros de negação, mas sente em cada atitude alheia. Algumas vezes é vista como fetiche, em outras como invisível. Para se sobressair, a cor negra precisa de muitos atributos que possam também ser considerados de brancos. É preciso um esforçar-se mais.

Mais e se além de ser mulher e ser negra, ela escrever sobre sexo? Aí que o mundo acaba de vez e todos caem em cima com assédios desnecessários, com julgamos inapropriados e moralismos inaceitáveis. As mulheres que, em algum momento da vida, já são vistas como putas sem quê nem pra quê, tornam-se putas de boca cheia na boca dos falantes.

“Pra quê se amostrar e dizer que faz isso e aquilo?”. “Ela é pura pressão”. “Ali é sonsa, não vale nada”. “Finge de santinha”. “Deve dar pra qualquer um”. São essas as falas que circulam por mim aqui e acolá, sendo mostras claras de que mulher deve ficar nos contos da Disney e em romances bonitinhos. Sexo é compreendido como sinônimo de putaria e putaria como de pornografia. No meio de tudo isso, mulher negra aliada a sexo proporcionam um brega escroto, é uma coisa de louco que gente decente não entra.

Escrevo tudo isso rindo, principalmente dos hipócritas. Escrevo tudo isso aliviada e orgulhosa de ser quem sou. Ah, não falei de mais uma coisa que carrego e que é considerada uma característica marcante do negro – cabelos crespos. Mas para este terá um texto especialíssimo. Antes que comecem a colocar poréns em si mesma porque é julgada por outras formas de preconceito, lembre-se que nosso corpo não é vitrine e que somos maravilhosas independente. Histórico de preconceitos não deve nos vitimizar. Cultura mal construída não nos pertence. A gente sabe que somos bem mais do que uma dezenas de palavras ditas. Elas devem entrar por um ouvido e sair pelo outro – só assim seremos mesmo livres.

Noite de lua cheia.

Era noite de lua cheia, duas taças e garrafas de vinho pela sala, a música embalava aquela conversa. Ela usava um vestido curto com um belo decote e ele fixava o olhar na boca e devorava os seios dela com os olhos. A primeira taça, troca de olhares; segunda taça, trocas de línguas; depois da terceira taça, a mão dele começou a deslizar pelas pernas dela. As mãos acariciavam e apertavam as coxas e em seguida os dedos tocaram o grelo e ela começava a soltar os primeiros gemidos.

Beijos quentes como aquela noite de lua cheia. Dedos na buceta, mordidas nos seios e ela enlouquecia. Como um animal feroz, ele a jogava no sofá e rasgou sua calcinha, ela ficou de vestido e de quatro no meio da sala. Mordidas e tapas naquela bunda, vinho foi jogado sobre ela, chupadas e mordidas, lambidas e gemidos. A língua encostava em seu grelo, eram lambidas com tesão e suaves mordidas. Um dedo penetrou e ela gemia e pedia para colocar mais e ele, colocou dois, três dedos dentro de sua buceta molhadinha.

O vestido dela era levantado e o calor aumentava. Ela estava pelada e de joelhos chupava o pau grosso daquele rapaz. Ordens eram dadas: chupa mais, engole ele todo e ela fazia com obediência.

Tapas eram dados e ela gritava de tesão. Agora fique em pé. Ande! Pare! Agora rebola para mim e ela fazia tudo que ele pedia. Os sons dos tapas ecoavam naquela bunda e ele a torturava esfregando só a cabecinha na buceta dela. Ela ia ao delírio e gritava “Mete! Mete! E a deliciosa tortura continuava. Fortes puxões de cabelo e o pau entrava todo, um grito estrondoso ecoa pela casa e ele ferozmente devora sua presa.

O moço tira seu pau lambuzado e o coloca dentro da boca da moça, ela lambe enquanto acaricia o saco daquele lobo feroz. Em seguida, ela é arrastada pelo braço, e ganha mordidas em seu pescoço fino. Jogada no sofá, recebe apertos com forças em seus seios e de costas ela sente aquele pau grosso e grande adentrar no seu cuzinho. Começa lentamente e de repente a intensidade aumentava, gritos e gemidos dos dois, suor pingando na sala. Em instantes, o suor se misturou com o gozo e os gemidos deram lugar as caras de que experimentou uma boa foda em uma noite de lua cheia.

Leitora baiana e despudorada.

Algumas pessoas costumam ser acometidas por algo que vai além do que esperam, cujos sintomas percorrem todo o corpo. Uma delas, discutida cientificamente e claramente percebida pelas pessoas, é a Saudade Crônica Incontestável (SCI). Certo que nunca tenha ouvido falar desta questão, que acarreta problemas fisiológicos e psicológicos, mas tenho quase certeza que você já deve ter sentido. Afinal de contas, faz parte de todo ser humano.

A SCI ocorre de um indivíduo em relação a outro após contatos fervorosos e cujas lembranças o marcaram. Após este primeiro (ou primeiros) contato (s), pode ocasionar palpitações no coração; lágrimas nos olhos; vontade de ver a lua, de ler poesia e de abraçar o travesseiro; sorrisos incontroláveis; sensações de perfume; conversas aleatórias sozinho por sonhar muito alto; querer ligar o tempo todo para a pessoa e desejar ter milhões de bônus todos os dias no celular; ficar esperando ansiosamente para o nome da pessoa surgir no whatsapp; olhar os e-mails todos os dias religiosamente; ter vontade de tornar-se rebelde e largar tudo para ficar ao lado dele (ou dela).

Enfim, se a pessoa a quem você sente tamanho afeto morar em outra cidade ou país, o caso se agrava e a solução é procurar todas as alternativas para ficar ao lado dele ou dela, claro! Uma observação importante deve ser feita, se a pessoa que você ama ou está apaixonada não responde positivamente ao seu sentimento… é melhor pular fora, ou seja, não alimentar os sentimentos nem permitir a emergência dos sintomas citados aqui porque eles podem vir a causar outros efeitos, com sentidos inversos e causar dores profundas ao coração e à alma.

Então, nesse caso, o remédio é valorizar-se. Mas, se houver correspondência e adjacências, então bons tudos para você e se joga nessa Saudade sem fim porque acabar com ela demora muito e faz um bem danado.

Quando Cinquenta tons de cinza foi publicado, ouvi murmurinhos. Depois de um tempo, tornou-se polêmica.  Todo mundo estava lendo, comentando e dizendo que o livro era um máximo. Com tanta polemização, é claro que o livro ganharia outros suportes e sairia das prateleiras. Em 2015, a sua primeira edição tornou-se filme e, agora, em 2017, saiu a segunda versão cinematográfica. A Intt viu, nesta proposta, a oportunidade ideal para dar vida à rotina dos casais que se deliciavam com as tramas do casal Christian Gray e Anastasia Steele em seus momentos de dominação e intimidade.

Por meio de 8 produtos (Sim, na imagem temos 7 deles – leia até o final!), a Intt reuniu requinte e sabor. A bebida preferida do nosso galã foi a maior inspiração para alguns dos produtos que tornaram-se sucesso nas relações dos desejosos pelo prazer. Assim, a gente arrepia os pelos até dos lugares mais inusitados e busca inovar com uma algema na mão, um eletrizar marcante, um tabu a menos e muito mais intimidade.

 

 

Para protagonizar a nossa história, que tal começar com um gel de massagem delicioso? O clima já começa a esquentar no primeiro toque de um produto que tem um cheiro gostoso e um sabor inesquecível de vinho tinto. As mãos vão deslizando e desenhando as vontades sobre o corpo alheio. A língua vai traçando o percurso e, quem prova, não esquece jamais. Para completar, algemas a fim de mostrar quem está no controle, prendendo-o(a) na cama e deixando que provem o seu sabor. Assim, torna-se presa e eleva o prazer ao topo.

 

 

O Orgastic voltou todo trabalhado na etiqueta para continuar fazendo o seu serviço bem feito: o de ajudar mulheres a intensificar a sua libido e partir para o prazer em seus 50 tons, até porque toda mulher carrega outras tantas dentro de si e sabe ser musa eternum. Para excitar, também temos o Orient que dá aquela esquentada boa onde realmente precisa pegar fogo.

 

 

E que tal um vibrador liquido? O Vibration vai deixar qualquer língua tremelicando e querendo mais. O sabor de vinto tinto lhe toma. O seu eletrizante potencial vibratório atrai e 3 a 5 gotinhas já dão conta do recado. Ele não assusta marmanjo nenhum, afinal, é líquido e, pelo contrário, atrai todos aqueles que querem experimentar uma sensação nova e com a cara da volúpia.

Além dele, a gente tem o Cliv que te dá uma ajudinha básica na hora do sexo anal, eliminando o desconforto. Com um leve gosto de vinho tinto, ele é um dessensibilizante que também dar aquele cheirinho gostoso que a trilogia Cinquenta Tons proporciona.

 

 

Não está aqui nas imagens nem em minhas mãos, mas o Vulv’s que já era delicioso por natureza pelo fato de esquentar e lubrificar ou, até mesmo, gelar com a sua versão Vulv’s Ice, agora chegou repaginado e com um sabor e aroma delicioso de vinho tinto para inebriar logo na primeira impressão. Em breve, ele estará aqui na vitrine do Pudor Nenhum para nos manter firmes na vontade de por a boca na botija. Ai, que delícia!

Ninguém merece cair no cotidiano, principalmente quando o assunto é relacionamento. A intenção da Intt é essa: mostrar que você pode inovar sempre mais e, inclusive, se aproveitar da tendência que tem sido esse sucesso todo para você dar aquele up. Quando falamos nas tonalidades do prazer, falamos na gente e no quanto é interessante estarmos sempre nos desvendando. As cores da vida, nós pintamos; as do amor e do tesão, também. Pense nisso e invista em você. Lembre-se que há sempre quem te ajude a escolher o melhor. Permita-se!

Conheci, na boemia carioca, um homem de olhar intenso e sorriso maroto. Bom de papo, músico, brinca com as palavras, dono de um beijo delicioso e uma malícia contagiante. Só ficamos uma vez, voltei para minha terra e ele me acompanhou, em pensamentos.

Ficou um desejo guardado no íntimo e faz alguns dias em que as conversas virtuais ficaram mais picantes. Tudo começou quando disse a ele que escrevo conto erótico, acho que os homens ainda se espantam quando descobrem que mulheres gostam de rabiscar sobre erotismo. Ao receber o link, ele me pediu um nudes para animar a leitura. Confesso que não sou muito fã da prática. Mas como rola certa afinidade, mandei uma foto e até então considerava um nudes.

“Ah,moça! Isso não é bem um nudes”, disse ele. Eu havia enviado uma foto em que eu estava usando uma calcinha rendada rosa. Poxa! Um esforço pra nada. Eis que vem um pedido criativo “cadê a foto do triângulo e da zabumba? Meu pife está saltitando no embornal”. Gente, achei esse pedido de uma criatividade e me empolguei.

Tirar foto de um pequeno bumbum é a pior parte. Eu que já tenho uma coluna idosa, sofri. Virava para um lado, virava para o outro e saia uma foto pior do que a outra. E no chuveiro? Derrubei uma toalha ao procurar um melhor posicionamento para as fotos e quando percebi, ela estava ensopada. Os pingos que molhavam a tela e a espuma que deixava a câmera embaçada e a labuta para tirar um nudes de qualidade.

Foram minutos para achar um bom ângulo para a foto da tal zabumba. Tirei! Achei que ficou boa, o bumbum pareceu bem maior do que o normal. Enviei. À noitezinha, recebo mais um pedido, agora é foto da grutinha. Como assim? Eu só conheço a gruta de Bom Jesus da Lapa e enviei uma imagem do santuário dela para satisfazer o desejo do gaiteiro. Achei que todos os homens curtissem fotos dos seios. Tirei algumas, tive o cuidado de sumir com as dobrinhas e mandei uma imagem dos peitinhos lindos e durinhos. Qual a resposta que recebo?

– Lindinhos seus peitinhos, amor. Mas peito é para criança. Quero foto da gruta e do triangulo.

Eu pensei até que ele fosse um garimpeiro porque era um desejo pela grutinha.

Ontem eu enviei a foto do triangulo e ele se empolgou e até o pau ficou duro. No meio da conversa surgiu uma pergunta interessante:

– Qual é o nome da sua buceta?

Eu ri e muito e disse que ela ainda não havia sido batizada e não possuía registro. Nunca pensei em um nome para minha pepequinha. Foi uma novidade.

Ele ficou com a missão de batizá-la. Espero que a água benta seja substituída pela saliva ao deslizar a língua sobre a sem nome e depois penetrar seu pau nela. Será que o pife ou pau também tem nome? Estou na dúvida. E eu que crio muita expectativa, fiquei ansiosa esperando um nudes dele e me mandou uma foto até interessante e outra em que ele mostrava todos os dentes. Acho que ele pensou que eu fosse dentista e me interessasse por nudez bucal. Moço, espero ver o pife na ativa.

Na calada da madrugada, depois de muitas fotos tiradas, tentando pegar o melhor ângulo de minha grutinha, achei uma bem fotogênica e mandei. Hoje à tarde, achamos melhor encerrar a brincadeirinha. Sabe, leitores, é que do breve encontro que tivemos, ficou desejo e fome em nós. Gosto de receber nudes, mas não curto enviar e até porque sou um desastre para tirar fotos. Curto muito a pratica do toque, cheiro e do sentir. E quem sabe um dias desses, pelas ruas cariocas o músico me encontre e encante-me novamente com a beleza e a conversa saliente e que ele possa conhecer, batizar, se deliciar e morrer de prazeres em minha grutinha.

E eu? Quero saciar meus desejos e colocar o bife para tocar enquanto minhas energias durarem. Não sei quando voltaremos a conversar, mas que sua criatividade, meu adorado músico, esteja em ascensão e que se o destino contribuir, que os nossos desejos possam ser um só e que a noite fique pequena para saciarmos as nossas vontades.

FSJ, um leitor ou leitora Pudor Nenhum.

A pergunta do título não poderia, à primeira vista, ter uma outra resposta a não ser a de que esta beleza está em nossos olhos. Quando olhamos no espelho nos vemos de um modo e quando fulano e sicrano nos vêem o redirecionamento do olhar e os conceitos de beleza são outros. A beleza, portanto, está além da nossa possibilidade de olhar e se ver refletida no espelho ou nos olhos alheios. E a pergunta é: e onde ela estaria?

Eu diria que a beleza está no conceito que criamos para ela no decorrer do nosso crescimento e amadurecimento intelectual. Talvez, ser bonita para você é ter uma pele de bebê ou ter lábios avermelhados naturalmente. Beleza, para ele, talvez seja ter um estilo mais marcado e diferenciado ou, simplesmente, ser bem casual e tímida ou extrovertida. A beleza está relacionada a nossa forma de ver o mundo e enquadra-se no quesito interior, ou seja, a aparência não é tudo quando o assunto é esse.

Quando não estamos bem, a tendência é nos acharmos feias. Caso contrário, nos sentimos lindas e maravilhosas. Assim funciona com quem nos ver e, de alguma forma, percebe esses reflexos da alma. Uma coisa importante que impossibilita nos colocarmos pra baixo e acharmos que não somos tão bonitas(os) é evitar pensar em situações desagradáveis e canalizar os pensamentos para afazeres e momentos bons da vida, além de procurar estar sempre com quem gostamos.

Se você não está acreditando em mim, faça o teste e confirme. Depois corre e vem me contar. Quando estamos bem por dentro, o espelho desembaça e a nossa beleza resplandece para nós mesmos e para os outros.