HomeSexo e Sexualidade (Page 2)

Sabe uma expressão que nunca sai de moda? Pois é, quando uma mulher diz “Melhor só do que mal acompanhada” é porque ela já sofreu tudo o que tinha para sofrer. Diante disso, não preciso nem saber como ela surgiu porque, claramente, a mensagem já diz tudo e, por certo, veio à tona por meio de uma mulher que se empoderou neste sentido, ou seja, tornou-se poderosa ao se perceber melhor sozinha do que ao lado de alguém que não lhe convinha.

A sociedade, baseada no cristianismo, determina que a família deve ser formada por homem, mulher e filhos. Entre outras palavras, a família deve ser heterossexual e se sustentar de todas as formas porque o seio familiar constituído é uma aliança divina. Para os cristãos, apenas a morte ou o adultério são capazes de desfazer esse lado. Porém, quando a afinidade deixa de existir entre o casal, o que deve ser feito? Para muitas mulheres, é preciso continuar e manter a relação e este base familiar.

Entretanto, não é apenas isso que sustenta a relação. Há casos de mulheres que, por terem baixa autoestima, permitem-se ficar com o outro porque acreditam que ficar só pode ser algo permanente. Imaginam que sozinhas, vão perder a possibilidade de entrar no time da tradicional família brasileira – afinal, a sua criação deve ter sido direcionada para isso. Vêem-se donas do lar, cuidando do marido e mãe de alguns pirralhos.

Normalmente, tais casos são acompanhados de uma prisão psicológica. Estar preso psicologicamente é alguém é não perceber a própria existência no mundo, é estar mentalmente saturado. Quando estamos assim, ouvir o outro é difícil, mas necessário. Os psicólogos também exercem muito bem o seu papel de nos fazer reconsiderar todas as circunstâncias em que estamos inseridas.

Nem preciso dizer que esse texto é exclusivamente feminino, não é? Somos nós, mulheres, que sofremos a pressão maior por conta do nosso gênero – a mulher mãe, dona de casa e que, ainda trabalhando, deve arcar mais fortemente com os deveres de casa e a criação dos filhos. Mas sabe o que eu acho sobre a tal expressão “Melhor só do que mal acompanhada”? Acredito que, sim, ela é mais do que verdadeira. A gente não precisa seguir esse padrão de família e de felicidade (que pode se tornar às avessas). A gente tem que se sentir bem e sentir-se bem nem sempre envolve ter alguém.

Não combinamos com prisão, mas com liberdade. Liberdade de fazer o que quiser, estar com quem quiser ou de estar sozinha (mas com participações especiais). Tais participações só surgem em nossa vida quando estamos bem conosco mesmas. Quando ouvimos o que gostamos, arrumamos nosso cabelo como queremos, vestimos as roupas que se identificam conosco e vivemos um estilo de vida que é nossa cara. Pense nisso e se jogue. A liberdade é algo que pertence apenas à você e ninguém pode consegui-la pra ti. Livre-se dos embustes e seja feliz!

 

“Cê tá sofrendo/ Porque fez toda cachorrada / Tô melhor só do que mal acompanhada/ Da sua cara eu tô cansada/ Você não vale nada” – Mariana Fagundes.

A paisagem não poderia ser mais perfeita. A areia branca se confundia com a espuma da água do mar, que, por sua vez, possuía um tom de azul-esverdeado cristalino que combinava com os tons de azul do céu de um dia ensolarado e sem nuvens. Era entardecer, a aurora começava a surgir e eu posso garantir que conseguia encontrar a lua, ainda tímida, a postos para assumir o seu devido lugar.

Em cima de uma canga, estávamos sentados admirando essa obra divina. A praia poderia ser considerada particular, pois além de nós, apenas algumas poucas vivas almas estavam também apreciando o momento. Sua roupa de banho desenhava o seu corpo um pouco bronzeado, marcado do sol. Posso me considerar uma pessoa de sorte por vivenciar essa cena, que não sairá tão cedo da minha memória. Aproveitei que você estava em posição de lótus para começar a desenhar a curva de sua nuca com beijos. Suaves e delicados. Era assim que o momento pedia. Conforme ia traçando minha boca, você mexia a cabeça, me dando liberdade e acesso.

Já eu estava atrás de você, com as mãos na altura de seus quadris. Elas, as vezes, escapavam para acariciar suas costas, percorrendo sua espinha. Com a ajuda da minha língua, retirei da sua pele o sal que estava impregnado após tantos banhos de mar. Minha língua quente tocava sua pele macia de forma tão suave que me sentia comendo algodão doce. Seu frescor se derretia em minha boca. Minhas mãos adquiriram vida própria e começaram a passear pelo restante do seu corpo: barriga, busto, coxas, virilha. Incessantemente. Incansavelmente. Suavemente.

Elas buscavam cobrir cada centímetro de pele que pudesse ser tocada, cada pedaço que pudesse ser exaltado.
Te viro para mim, seus olhos estavam brilhantes, ardendo em fogo e desejo. Sua boca semiaberta, implorava sem palavras o beijo que se sucedeu. Tudo era muito calmo e sensual, carregado de desejo. Enquanto te beijava, minha mão buscava seu sexo. De forma delicada, sentia-o quente e úmido, e conforme meus dedos por ali se aventuravam, você arfava no meu ouvido, seu corpo se retesava, e eu seguia a missão de senti-lo ainda mais molhado e queimando em desejo.

O tempo parecia ter parado enquanto eu sentia seu calor em meus dedos e em minha boca, enquanto a outra mão achara seu seio e estacionara por lá, mantendo apenas uma movimentação circular em seus mamilos. Seu corpo vibrava junto a vibração das ondas. Sexo e mar em um ritmo único. E nesse balanço, senti sua explosão de prazer em meus lábios, me deliciando em gozo e satisfação.

A paisagem não poderia ser mais perfeita.

 

De um leitor(a) despudorado(a) em algum lugar do mundo.

Tem expressão mais comum do que um belo “Vai tomar no cu”? A gente sempre diz quando está chateada(o) com alguém, mas nunca paramos para prestar atenção no quanto ela pode ter uma carga negativa. Parece besteira o que vou dizer, mas é real oficial – pelo menos na minha opinião.

É claro que todo contexto deve ser considerado, mas o dirigir-se ao outro com o “vai tomar no cu” representa uma ação intimidadora, invasiva e humilhante. Além do mais, significa um ato que envolva dor ou quaisquer incômodos. Em outras palavras, é um imperativo que ninguém quer receber porque é compreendido como bastante ruim. Entretanto, essa interpretação existe por conta de uma cultura que nega (ou que coloca à margem) as relações homoafetivas e o sexo anal em mulheres (tido como imoral).

Em uma sociedade de cunho cristão, as relações devem ser estabelecidas apenas entre os gêneros opostos e o sexo deve ter penetração somente pela região vaginal. Afinal, se não for assim, a reprodução fica inviabilizada de acontecer. Qualquer outro modo de se relacionar, torna-se pecado e é inadmissível. Diante disso, o famoso “tomar no cu” é realmente uma maneira bastante vulgar e agressiva de se falar com alguém.

Atualmente, as pessoas têm sido mais reticentes e irônicas diante de tal imperativo. Se lhes mandarem tomar no cu, há quem revide com um “vou com muito prazer” ou “adoro” e até mesmo um “quero muito” e por aí vai. O sexo anal tem se tornado uma das maiores curiosidades entre as mulheres e as marcas de produtos sensuais também têm facilitado a vida de mulheres neste sentido, mas, e os homens?

A inversão de papeis ainda é inaceitável para a maioria das mulheres e homens. Os homens nem sempre estão dispostos a assumirem sua orientação sexual e o preconceito continua permeando o nosso meio social – isso é realmente muito triste. Quero que antes de brigarmos com o outro e mandarmos tomar no cu, repensemos o quanto esta expressão está cheia de preconceitos e, assim, evitemos contribuir com isso.

“Tomar no cu” é uma delícia e também uma forma afetuosa e sexual de se relacionar, então nunca usemos de forma negativa, ok? Vamos respeitar todos aqueles que, assim, são felizes. Todos nós merecemos tomar onde quisermos e isso não deve ser motivo de crítica para ninguém!

Aposto que o conto que inicio aqui vai te deixar com muito tesão. Isso porque esse relato é verdadeiro. Certo dia eu estava em casa sozinho e entediado e resolvi entrar numa dessas salas de bate papo online. As pessoas entram nesse tipo de ambiente virtual pelos mais diferentes motivos, alguns apenas para se distrair, para gastar o tempo, para fazer amizades e outros a procura de sexo. Eu já conhecia esse tipo de ambiente, pois já havia entrado nessa mesma sala outras vezes, mas até esse dia ainda não tinha acontecido nada demais, no máximo havia adicionado algumas garotas na minha rede social. Quando muito, havia apenas rolado um bate papo mais quente no próprio site.

Num determinado dia, eu resolvi entrar novamente no site. Comecei puxando papo com algumas pessoas online e logo consegui convencer uma garota a me adicionar na sua rede amigos, na época era o MSN. Havíamos começado um papo quente ainda na sala de bate papo e logo daríamos continuidade no MSN. Sempre fui bom com as palavras e logo ela me disse que eu a havia deixado com muito tesão, por isso ela me adicionou.

Depois de conversarmos bastante e falarmos bastante sacanagem, ela me disse que estava com muita vontade de me conhecer pessoalmente e deixou claro que adoraria que eu fizesse tudo o que havia dito pra ela no chat. Era tarde da noite e eu, ainda inseguro quanto a esse encontro, acabei desistindo de encontrá-la naquela noite, mas prometi que o faria em breve. Era véspera de feriado e eu teria que viajar logo na manhã seguinte, também estava pouco a vontade, pois estava bastante resfriado.

No dia seguinte, eu viajei e só retornei dois dias depois, já me sentindo bem melhor em relação ao resfriado, estava com meu potencial elevado e decidido a levar o projeto adiante. Naquela mesma noite, liguei meu PC e entrei no MSN, e lá estava a garota, dei boa noite e ela respondeu prontamente “olá sumido”, conversamos um pouco e ela logo perguntou “ta afim de me conhecer?” e eu disse “claro”. Era umas 10hs da noite quando ela me passou o seu endereço e telefone. Para minha surpresa, seu apartamento era muito próximo de onde eu morava. Ela me deu o número do apartamento, em seguida anunciei que iria tomar um banho e já sairia logo em seguida. Assim que terminei meu banho, passei meu melhor perfume e pus os pés na rua.

O prédio onde ela morava era realmente muito perto, éramos praticamente vizinhos, levei poucos minutos até chegar ao apartamento dela. Toquei o interfone, ela atendeu e me disse “sobe”. Empurrei o portão e comecei a subir as escadas, depois de muitos degraus eis que a encontro na porta de seu apartamento a minha espera. Nos cumprimentamos e ela me convidou para entrar. Começamos a conversar de forma descontraída, tomamos vinho em sua mesa e comemos alguns salgadinhos, até então estávamos apenas nos conhecendo.

Em sua sala havia um sofá e logo eu a convidei para nos sentarmos lá. Ela aceitou meu convite e fomos para o sofá. Ali comecei a soltar as minhas garras, meu plano estava começando a se cumprir. Comecei elogiando por sua beleza e logo eu estava mordendo seu pescoço e acariciando seus pequenos seios. Ela era uma menina magra, aparentava ter uns 23 anos de idade, mas tinha um belo bumbum, enorme para o seu tipo físico. Isso me deixou bastante excitado. Não foi difícil ter uma ereção ainda no sofá. Mas até então meu pau estava devidamente guardado. Depois de alguns amassos, ela se levantou do sofá, me pegou pela mão e me conduziu até o seu quarto. Eu começava a me soltar também. Fiquei de pé na cama e ela logo quis conhecer o que eu tinha para aquela noite.

De joelhos em minha frente, ela começou acariciando o meu pau, ainda por cima da calça e logo se pôs a desabotoá-la. Fiquei somente de cueca enquanto ela mordiscava meu pau por cima da cueca, deixando ainda mais duro. De repente, ela levemente baixou minha cueca e meu pau saltou para fora, duro como rocha. Ela logo caiu de boca sem meias palavras, me fez um boquete guloso com muito tesão. Aquela garota que eu havia conhecido na sala de papo agora tinha meu pau em sua boca e o sorvia como se estivesse chupando um picolé de sua preferência. Me levou ao delírio com um boquete delicioso, engolia o meu pau por partes, colocava um pedaço na boca, depois mais um pouco, e mais um pouco, até chegar na base do pau, aquilo me deixava louco de tesão.

Deitei na cama e ela continuou naquela brincadeira safada com a boca. Ficamos assim algum tempo quando resolvi levar a brincadeira mais adiante, peguei uma camisinha no bolso da calça e ela se deu ao trabalho de encapar meu caralho utilizando a boca. Partimos então para a penetração, eu queria foder aquele rabo guloso. Pedi que ficasse de quatro, aquele bumbum maravilhoso era um convite que eu não poderia dispensar e, com jeitinho, penetrei naquela boceta que já estava bastante molhada naquela altura do campeonato.

Comecei as minhas bombadas com vontade e logo estávamos gemendo de tanto tesão. Depois de muitas bombadas, resolvi fazer a posição que mais me agrada, deitado com a garota por cima de costas para mim. Assim, ela começou a tomar as rédeas da trepada e fodia o meu pau com vontade, subindo e descendo numa velocidade deliciosa. Isso me levou ao delírio e quase ao clímax, mas consegui me conter e guardar o gozo para um grand finale. Mudamos novamente de posição e comecei a comê-la no papai e mamãe, uma socada deliciosa que me fez sentir vontade de gozar novamente, dessa vez eu não iria resistir.

Depois de algumas socadas naquela posição, anunciei que iria gozar, retirei rapidamente a camisinha e gozei nos peitinhos dela, enchi de porra quente. Ela ficou ainda com mais tesão e continuou a me agradar batendo uma punheta com meu pau ainda latejando na tentativa de retirar mais porra quente. “Que delicia!” eu disse, ela sorriu e me disse “safado!”. Me levantei e fui tomar um banho, ela me acompanhou e, em seguida, voltamos para o quarto para terminarmos a noite dormindo coladinhos. Só deixei o seu apartamento na manhã seguinte plenamente realizado e tendo a certeza que aquela sala ainda me renderia outras boas trepadas.

 

Conto escrito por um belo despudorado.

No mês considerado da mulher, as discussões não param. À mulher, sempre coube a repressão acerca das suas atitudes perante toda uma sociedade. O modo como se veste, como fala e se comporta podem ser motivos de violência física e verbal. A mulher é culpabilizada por quaisquer atos em que ela mesma é a vítima. Considerada o sexo frágil, ela está todos os dias mostrando o quanto é forte. Para falar sobre isso, o Restaurante e Galeteria O Poleiro organizou o evento Entre Elas no dia 16 de março, uma sexta-feira. Assim, a semana terminou ainda mais reflexiva. Afinal, somente com discussões e compartilhamento de experiências, podemos refletir sobre como estão sendo nossas relações.

O evento contou com um bate-papo em que as protagonistas foram a representante do Coletivo Feminista Pretas da Dió Nana Aquino, a psicóloga Danila Gonçalves e eu, Lu Rosário. Nana, sempre muito precisa, trouxe dados estatísticos sobre como estamos sendo violadas no Brasil. Danila falou sobre sua experiência enquanto profissional que lida cotidianamente com outras mulheres e eu completei as falas dentro do meu lugar como uma mulher negra que escreve sobre sexo e lida com declarações de outras mulheres todos os dias.

Da esquerda para a direita: Nana Aquino, Lu Rosário e Danila Gonçalves.

 

O Entre Elas também contou com uma dinâmica de interação, onde mulheres respondiam perguntas relacionadas ao fato de ser mulher. Com isso, todas falaram e tornaram o momento ainda mais caloroso. Além disso, houve também sorteio de brindes. A Racco foi uma das parceiras, assim como a Tupperware que, apesar de não ter colocado um espaço conosco, sorteou alguns brindes.

Na esquerda, Ana Ferraz – proprietária d’O Poleiro.

 

Quero agradecer à Ana Ferraz pela oportunidade de estar neste evento. Que, além-março, outros momentos como este aconteçam para que nos fortaleçamos e descubramos que lugar de mulher é, sim, onde ela quiser.

Éramos 3 amigos numa segunda-feira de carnaval – eu, Ju e Mila (nomes fictícios) – e, como costumávamos fazer, marcamos um almoço na casa de Ju, o que para mim era uma ótima oportunidade de ficar a sós com Mila, pois trabalhávamos juntos e sentíamos muito tesão um pelo outro. Como eu namorava ela, não ficava à vontade em demonstrar em público.

No almoço anterior, enquanto Mila lavava os pratos, eu me aproximei e beijei seu pescoço. Ela começou a rebolar aquela bunda enorme em meu pau que ficou duro na hora. Fomos para o quarto e tirei o pau para ela ver e apreciar com muito tesão. Deitei ela na cama e, quando fui tirar sua roupa, ela disse que estava menstruada. Ela pegou meu pau e chupou, mas eu não quis gozar. Queria ficar com a mesma sensação que ela estava, então, neste almoço de carnaval, era o dia.

Ju, a dona da casa, era super descolada e assim que cheguei ela falou: dei meu cu ontem! Eu, surpreso, respondi: E aí, gostou? Ela disse que não doeu, mas também não gozou e todos nós rimos muito. Depois de muita conversa, fomos almoçar. Além de uma garrafa de vinho, tinha levado dois filmes para assistirmos e assim almoçamos assistindo o filme “Doce vingança”, estrategicamente escolhido por elevar a autoestima feminina depois de tanto sofrimento.

Estava sentado a mesa ao lado de Mila e Ju no outro canto. Passei a mão nas pernas de Mila por baixo da mesa e ela prontamente pegou em meu pau e ficou batendo uma punheta por cima da minha bermuda. Ela estava com uma calça de tecido bem fino e dava para sentir sua boceta bem molhada e assim ficamos até acabar o filme. Depois da sobremesa, abri o vinho para brindarmos aquele momento de amizade. Ju ficou meio tonta com o vinho e disse que ia tomar banho enquanto eu colocava o segundo filme. Quando viu a capa do filme, resolveu tomar banho depois.

Fechamos a janela da casa, colocamos almofadas no chão e iniciou a sessão. O filme era o “Ônibus da sacanagem”, basicamente orgia com vários casais transando ao mesmo tempo num ônibus. Eu estava no meio das duas sentados no chão. Ju estava só de toalha, pois ia tomar banho e, depois de algum tempo de filme, começou a se masturbar ali mesmo em nossa frente e, de repente, ela diz: Ai, gozei, e agora tenho mesmo que tomar banho. Meu gozo já está escorrendo.

Eu já louco de tesão, achando que podia transar com as duas, mas não tentei, pois conhecia a Mila e sabia que podia botar tudo a perder. Assim que ela entrou no banheiro, eu e Mila nos agarramos como dois cachorros no cio. Enfiei minha mão dentro de sua calcinha já completamente encharcada e senti sua boceta toda raspadinha. Fomos para o quarto, tirei sua blusa e sutiã expondo seus lindos e arrepiados seios. Deitei ela na cama e puxei sua calça e calcinha junto. Lá estava ela nua, linda e inigualável. Tirei uma camisinha do bolso e finalmente a penetrei. Ela deu uma leve gemidinha e disse: Vai, mete o que você pode. Eu metia na posição papai mamãe enquanto chupava seus peitos e, assim, acabei gozando dentro daquela boceta gostosa.

Levantei e ela perguntou: Você conseguiu gozar comigo? Eu só sorri e beijei ela. Eu estava todo molhado de suor. Peguei uma toalha e fui tomar banho. O banheiro não tinha energia e a porta não fechava toda, deixando passar apenas uma fresta de luz e deixando tudo numa penumbra. Quando viro, vejo Mila entrando no banheiro, tirando a roupa e entrando no chuveiro comigo. Ela usava algum tipo de creme no cabelo que começou a escorrer pelos nossos corpos nus, deixando tudo bem escorregadio naquela penumbra, um tesão só.

Depois de beijar e chupar muito seus peitos fartos, peguei outra camisinha no bolso da bermuda, coloquei ela de quatro apoiada na pia e delirava ao ver aquela bunda enorme rebolando em minha pica. Depois de um tempo nesta posição, ela cansou, pois o banheiro era muito apertado e eu tinha praticamente acabado de gozar com ela no quarto. Ela, então, se agachou com as pernas abertas e começou a chupar muito meu pau e só disse para eu não gozar em sua boca. Ela me olhava com uma cara de puta enquanto chupava e, assim, eu gozei em seus peitos, deixando aquela morena gostosa com um lindo colar de pérolas. E, assim, foi o melhor dia de carnaval que já vivi até hoje.

 

Um despudorado.

Foi com esta expressão – Lugar de mulher é onde ela quiser – que os aplicativos Northus e The Livery resolveram reunir oito mulheres empreendedoras de Vitória da Conquista (BA) para falarem sobre seus desafios em ser mulher na nossa sociedade. O encontro aconteceu no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, no Oxente Food – um restaurante lindo que serve uma deliciosa comida nordestina – e foi transmitido ao vivo por meio do Instagram dos organizadores.

 

Da esquerda para a direita: Lu Rosário, Sheila Andrade, Claudia Rizo, Edna Márcia, Karine Grisi, Bruna Miranda, Clara Bittencourt e Eva Mota. Foto: Rafael Flores.

 

Este momento configurou-se como uma roda de conversa onde o compartilhar de experiências ocupou a pauta principal. Estavam presentes a administradora, professora, especialista em Marketing e consultora Karine Grisi. Ela também foi a responsável por intermediar o bate-papo. De forma leve e descontraída, soube organizar muito bem os locais de fala.

Durante o bate-papo. Foto: Rafael Flores.

 

Eva Mota, jornalista e empreendedora criativa, também esteve presente. Ela é a primeira a promover uma oficina de marcenaria exclusiva para mulheres. Um projeto e tanto, hein? A presidente da CDL Conquista, Sheila Andrade, foi uma das convidadas e esteve ao meu lado esbanjando simpatia e falando sobre as diferentes posições que a mulher ocupou dentro da Câmara de Dirigentes Lojistas. Inclusive, fez um apelo para que mais mulheres se predisponham a participar deste lugar em que hoje ela se encontra.

Lu Rosário e Eva Mota. Foto: Rafael Flores.

 

Sheila Andrade e Karine Grisi. Foto: Rafael Flores.

 

PM e blogueira de maquiagem, Edna Márcia em sua pequena estatura e super feminina apresentou-nos sua história dentro de uma corporação tipicamente masculina. Já Clara Bittencourt, administradora e coaching, abordou o quanto é difícil para a mulher que quer empreender e acrescentou-nos um pouco sobre esta nova profissão que está surgindo – a de coaching. Para completar, a insta blogueira do Mulher Plus esteve presente falando sobre o empoderar-se da mulher gorda. Bruna Miranda tem, vale ressaltar, um trabalho que perpassa o meu. Maravilhoso isso. Já até propus uma live juntas!

Convidada para plateia e Edna Márcia. Foto: Rafael Flores.

 

Administradora do Espaço Colaborativo Cuco Bahia e Bruna Miranda. Foto: Rafael Flores.

 

Para começar e terminar a nossa noite, Cláudia Rizo, que é engenheira agrônoma, especialista em Paisagismo, cantora, maestrina, autodidata e pianista, fez uma capela lindíssima – tanto sozinha quanto acompanhada por sua filha. Mais do que isso, ela mostrou-nos o quanto sabe ser independente em quaisquer situações cotidianas e que não é por ser mulher que ela deve levar desaforo pra casa, pelo contrário.

Cláudia Rizo. Foto: Rafael Flores.

 

O evento foi muito importante para unir mulheres e inspirá-las. Eu não contei acima, mas é claro que eu estava presente no bate-papo e falei sobre o papel do Pudor Nenhum de empoderar mulheres, além de ter dito um pouco a respeito da minha história enquanto mulher negra que escreve sobre sexo.

Não posso esquecer de dizer, mas o bate-papo contou com o apoio da Link Consultoria, do Especiarias e do Senac. Agradeço ao convite dos organizadores e espero que outros momentos assim se repitam, pois eles são essenciais para que continuemos firmes em nossos objetivos e em nossa luta – de valorização e reconhecimento do nosso lugar enquanto mulheres.