HomeArtigo criado porLu Rosário (Page 20)

Dizem que na Grécia Antiga, as mulheres eram tidas apenas como fracas e parideiras e o que mais rolava eram relações sexuais entre homens, aqueles que detinham força e poder. As relações homossexuais eram motivos de orgulho entre os gregos, principalmente quando o ativo da relação lhe era superior. Nesse enrolar que viviam, descobriram o ânus como um local que proporcionava o maior tesão.

O ânus é uma região estreita, cheia de terminações nervosas e que, portanto, é super sensível. Sentir uns carinhos e uns beijinhos neste buraquinho que é só seu pode significar o elevar-se ao céu. Já deu para entender o que quero dizer com esse discurso todo, não é? Sim, já deu.

As carícias realizadas com a boca no ânus é o que conhecemos como beijo grego. O beijo grego pode ser perfeitamente feito entre pessoas do mesmo sexo ou do sexo oposto, tanto faz. O parceiro ou parceira pode ficar de quatro ou, caso não queira assim, em outras posições que favoreçam o alcance dos lábios e língua na região tão desejada. Fala sério! O ânus quando bem limpinho e cuidadinho é bem bonitinho e proporciona os mais diferentes prazeres. Digo isso porque há quem tenha nojo de lá como se todas as outras coisas que são feitas no sexo fossem hiper limpas.

Além deste preconceito em relação ao ânus, há também o dos homens em não deixar a mulher tocar neste lugar tão cobiçado por eles no sexo oposto. Acham que lá só eles podem pegar e o vice versa é errado e coisa de gay. Amigos, macho que é macho sente prazeres em todos os lugares e continua macho! E meninas, se vocês ainda não experimentaram, peçam ao parceiro para tentar. Todas as formas de amor no sexo são sempre válidas!

A arte de seduzir, realmente, não é um tarefa fácil. Se a gente for procurar nesses sites por aí, haverá mil e uma dicas – inclusive algumas consideradas infalíveis. Entre estas, eu encontrei, no Bolsa de Mulher, dicas relacionadas a beleza e, consequentemente, a autoestima feminina. Algo que eu sempre digo por aqui é isso: uma mulher ou homem que se sente bem consigo mesmo terá uma vibração tão positiva e gostosa que qualquer um vai querer tê-lo por perto. E verdade seja dita, basta você observar ao seu redor para ter certeza disso. No entanto, além da autoestima, é preciso ter segurança no seu poder de seduzir o outro.

Não precisa se achar hiper sexy nem o pica das galáxias para ter a autoestima elevada, só é necessário saber que você tem seus atributos e que conquistar o outro é ter segurança e acreditar no seu taco. Isso tudo exige espontaneidade. Quem sabe levar a vida sem precisar forçar atitudes ou momentos, não carrega peso algum sobre suas ações e o gosto da conquista é bem mais saboroso. Apesar desses dois aspectos serem essenciais, ainda me arrisco a citar um outro para complementá-los. Então, estou me referindo a meta por você planejada.

Se não entendeu essa questão da meta, então vou explicar-lhe. Você viu aquele gatinho com um jeitinho que, na sua opinião, se completa com o seu (ou vice versa ou seja lá em quais relações forem). A partir daí, você foi conhecendo ele melhor e encontrando razões para investir, logo, se a pessoa lhe deu um sinal de reciprocidade, invista e não tem como não sair ganhando. Já se você não percebeu que o seu doar-se voltou na mesma proporção, para quê insistir? Sua investida deve ter um limite porque, caso contrário, você faz papel de trouxa e ainda volta toda fragmentada e com o tempo literalmente perdido. Já deixe isso claro para você. Nossos caminhos são melhor traçados quando bem definidos. Seduzir é, portanto, elevar a autoestima, ter segurança em si mesmo e impor limites no alcance da pessoa desejada.

Quando a gente sai de uma relação longa, a sensação é que não saberá agir de modo a atrair o outro pro seu lado mais delicioso da força. Entretanto, minha dica é não ficar com noias porque tudo tem seu tempo e você tem que deixar que ele a perceba lindamente e saiba – ainda que suavemente – que você deseja mais do que uma amizade que faz coraçãozinho com a mão. Se não houver uma correspondência após tantas dicas gentilmente cedidas por você, pula fora porque o que não falta é gente interessante no mundo. Seduzir é uma arte que, convenhamos, conhecemos muito bem… basta um desejo aflorar e pararátimbum.

“Hoje eu sei que meu cabelo era lindo quando eu era criança. Porém, eu sofria quando minha mãe ia penteá-lo e ela considerava que meu cabelo dava muito ‘trabalho’. Foi então que, quando eu tinha uns 11 anos, decidimos que iríamos aplicar um produto pra ‘reduzir o volume’”, relatou Jacquelline Fernandes – professora de biologia.

Assim como Jacquelline, Bruna Larissa, consultora óptica, comentou que desde criança, a sua mãe sempre mantinha seu cabelo cortado bem baixinho para não ter muito trabalho de cuidar dele. De acordo com Bruna Larissa, a sua mãe dizia que “era muito cheio, ‘duro’ e ‘ruim’”. Portanto, ela cresceu ouvindo isso e, aos 6 anos, sua mãe alisou o seu cabelo para diminuir o volume.

Alisar os cabelos, muitas vezes, começa assim: na infância. Uma boa parte das mães, em outras épocas, não queriam ter trabalho para pentear o cabelo da filha nem, principalmente, vê-la fora do que foi estabelecido enquanto padrão de beleza até porque, somente assim, era possível ser bonita aos olhos da sociedade. Nos últimos anos, cresceu a quantidade de produtos para alisamento em cabelos de crianças. Assim, tornou-se mais fácil discipliná-los – motivo pelos quais as mães resolvem mudar os cabelos de suas meninas.

Essa disciplinaridade se faz necessária na medida em que há uma questão histórico-cultural que constrói a nossa forma de pensar na atualidade. Romper com uma construção neste sentido é transgredir as regras da sociedade. Por isso, o termo empoderamento surgiu como uma forma de agregar valor ao fato de mulheres, hoje, aceitarem assumir seus cabelos crespos.

Empoderar-se significa perceber a dimensão política que está representada no fato, por exemplo, de assumir os cabelos crespos e de compreender o quanto há uma discriminação relacionada à sua aparência para, assim, buscar mais conhecimento e começar a entender alguns fenômenos sociais, bem como lutar contra o racismo. Afinal, os cabelos crespos estão associados ao negro.

O preconceito aos cabelos crespos

Ivanildes Guedes de Mattos, doutora em educação e contemporaneidade, escreveu o artigo Estética afro-diaspórica e empoderamento crespo no qual traçou a trajetória que possibilitou à sociedade, nos tempos atuais, ter preconceitos em relação ao cabelo crespo.

De acordo com a doutora, após a libertação dos escravos no final do século XIX, não houve um interesse da burguesia pela mão de obra de escravos libertos e, assim, a sociedade brasileira encontrou-se com um grande contingente de homens e mulheres livres ocupando diversos espaços da cidade. Colocados à margem, a população negra foi sentenciada às práticas de racismo. “A cor da pele e os cabelos foram desde então os elementos mais estigmatizados da estética negra. Cabelos crespos eram rotulados de ‘cabelo ruim’ e os de pele mais escura, adjetivados como ‘negros fedidos’ e ‘feios’”, escreveu Ivanildes.

 

escravidao-negra-amazonia

Imagem: http://www.cartaeducacao.com.br/tag/escravidao/

Desse modo, o cabelo crespo é reflexo do preconceito racial porque denuncia uma herança étnica e, em muitos casos, um histórico socioeconômico. Lara Vascouto, redatora e editora do blog Nó de Oito, salienta que é esse entendimento, ainda que inconsciente, de que o cabelo crespo é uma herança africana enquanto o cabelo branco é uma herança europeia que proporciona essa discriminação. A blogueira relembra que, durante o apartheid na África do Sul, a definição entre preto e branco era feita pelo teste do lápis em que o objeto era enfiado no meio dos cabelos e se caísse, a pessoa era negra; caso o lápis escorregasse, a pessoa era branca.

A doutora Ivanilde Guedes de Mattos, em seu artigo, ressalta: “É histórico que os negros para serem aceitos nos espaços sociais e do mercado de trabalho eram diretamente influenciados pelos padrões estéticos que beneficiavam aqueles mais próximos da estética branca. Daí o alto contingente de mulheres negras com cabelos alisados”. Desse modo, os indivíduos buscam formas de minimizar o preconceito adentrando em um padrão socialmente aceitável – neste caso, por meio do alisamento capilar.

Entretanto, nos últimos anos, isso tem mudado com o surgimento de um movimento de mulheres que trazem à torna uma discussão sobre afirmação estética a fim de que seu cabelo deixe de ser visto como algo negativo e passe a ser uma forma de combate ao racismo. “Entendo que o movimento de mulheres negras pelo empoderamento do cabelo crespo surge na contemporaneidade como um signo de apropriação de negritude anteriormente negado e silenciado pelo padrão branco de beleza”, escreveu Ivanilde.

As mulheres da geração atual, portanto, já buscam outras formas de cuidar dos cabelos das suas filhas. Magali Araújo, cabeleireira especializada em cabelos crespos, conta: “Há dois anos eu faço permanente afro em uma menina que, hoje, tem 7 anos. Volta e meia, umas duas vezes no ano, a mãe dela me procura. A mãe passava guanidina e o cabelo da menina, por muitas vezes, quebrou e caiu muito na parte da frente, então ela me trouxe e eu cortei tudo, tudo o que tava espetado e liso. Ela ficou com o cabelo curtíssimo, aí a mãe aguardou mais três meses e eu fiz a primeira permanente afro. Essa garota é uma das que saiu do alisamento e ela mesma fala: mamãe, eu quero meu cabelo cacheado. Hoje ela fala, sabe? Mas o cabelo dela é aquele que não cacheia, é aquele cabelo bem aramado, um black mesmo”.

Diante disso, surge a preocupação sobre o fato de sairmos da ditadura do liso e entrarmos na ditadura dos cachos, na qual é necessário tê-los bem definidos para que sejam aceitos. Apesar dessa preocupação, “as mães já pararam de fazer progressiva, mas elas ainda não estão sabendo o que fazer com os cabelos das crianças, então a gente ainda precisa de mais profissionais que entendam de cabelos afros”, ressalta Magali.

Ditadura do liso x Ditadura dos cachos

Falar em ditadura do liso é retomar toda a história, que foi apresentada anteriormente, para justificar a imposição que existe sobre homens e mulheres e que aponta para um alisamento do cabelo com o intuito deste ser aceito socialmente. “Todo mundo deve ter o cabelo liso – é o que é considerado bonito, elegante, sensual, atraente e bom. Já o cabelo enrolado, crespo e afro é cabelo ruim”, escreveu a blogueira do Nós de Oito.

Apesar das pessoas estarem assumindo os cabelos crespos e abrindo mão dos produtos de alisamento, tem surgido uma preocupação acerca da imposição dos cachos perfeitos cuja negação do cabelo bastante crespo e sem cachos permanece. Isso faz com que as pessoas esqueçam do verdadeiro sentido de assumir os cabelos naturais para que entrem em uma outra ditadura, a dos cachos.

O verdadeiro sentido, como a psicóloga Ludmilla Rios falou, está relacionado a construção da identidade: “Nós somos formados por partes, pela construção do perfil da mãe e do pai, então é um conjunto que vai formar o indivíduo, mas chega um certo momento em que ele começa a perceber o que é bom pra ele e constrói a sua própria identidade. Ele constrói a sua autonomia de acordo com esse momento de busca”.

Além do mais, a manifestação através do cabelo é uma forma de linguagem. De acordo com a psicóloga, “quando o indivíduo percebe que está se vestindo da forma dele e, assim, consegue ser quem ele deseja em qualquer espaço, ele formou sua identidade. Então, ele conseguiu se identificar e encontrar o seu próprio eu”.

Desse modo, o empoderamento crespo, representado por muitas mulheres e homens, salienta a beleza independente de como estão os cachos e, até mesmo, se o indivíduo prefere alisar os cabelos ou não.

 

12745942_1006822119398283_3634373874365840525_n

Lu Rosário. Foto: Acervo Pessoal

 

Sempre rolavam críticas

Sair da infância com cabelos alisados é perpetuar a ideia de que esta é a melhor solução para se enquadrar na sociedade e, assim, conseguir se relacionar melhor com as pessoas a sua volta. A própria infância, inclusive, já traz traços de uma rejeição sistemática que incide no bullyng conforme o tempo vai passando. La Lunna MC desabafou que com 8 anos já ouvia piadinhas na escola sobre o fato do seu cabelo ser cheio e crespo. A partir disso, ela passou 14 anos alisando os cabelos com os produtos que surgiam no mercado. Ela enfatiza: “eu costumava alisar o cabelo sempre que eu percebia que a raiz estava ficando alta e o cabelo natural aparecendo”.

Diante da pressão exercida diariamente entre conhecidos e amigos, a autorrejeição é uma forma de se limitar e de buscar formas de aceitação, no caso, por meio do alisamento total dos cabelos – o que inviabiliza qualquer manifestação da raiz crespa. Além do mais, quem provoca bullying é resultado de um percurso histórico que estabelece padrões de beleza para os cabelos. Jacquelline Fernandes, que nos contou ter alisado os cabelos aos 11 anos, salienta que, quando cogitou a possibilidade de não alisar mais o cabelo, a mãe a desencorajou, “dizendo que iria ficar horrível porque os cachos nunca mais voltariam”. Para completar, ela acrescenta ser mais difícil enfrentar o preconceito da própria família, principalmente da mãe. Para Jacquelline, “o preconceito de pessoas ‘distantes’ de você é mais fácil de ignorar”.

Entretanto, não é apenas no meio escolar que existe uma crítica constante relacionada aos cabelos. A proprietária da loja Virtual Cosméticos e diretora da unidade de formação estética Visage, Camila Gobira, apontou quais eram os seus pensamentos em relação ao assunto diante das exigências do mercado: “Depois que assumi um alto cargo de trabalho, comecei a acreditar que a minha imagem de chefe deveria ser lisa, comportada, contida, equilibrada, centrada, elegante. O liso era a solução”, afirmou.

Diferente de uma criança, o adulto reconhece mais claramente as suas angústias e possui autonomia para mudar o que não lhe agrada. Desse modo, Camila resolveu procurar uma profissional experiente pra cortar o cabelo e se desfazer de uma imagem que não lhe representava internamente. “Ao relatar minha angústia em me aceitar, me toquei de que essa sim seria a minha válvula de escape. Aceitar o cabelo cacheado, volumoso e descomportado era a minha forma de gritar que eu estava frustrada em ser ‘normal’ para agradar os outros”, conta Camila.

Mais do que isso, quem está intrinsecamente inserido neste contexto de cuidar do cabelo do outro também não está livre de críticas. “Eu mesma tenho dificuldade quando vou dar aula no curso de cabeleireiro profissional feminino. Você acredita que na minha última turma, elas falaram ‘poxa, seu cabelo enrolado não é legal?!’ E isso foi unânime. Toda vez que escovo elas elogiam, passam a mão e dizem ‘que lindo’”, Camila ressalta.

O mercado da beleza

Nos últimos anos, com o movimento de mulheres que estão abrindo mão das escovas e chapinhas, o mercado tem buscado se adequar a esta nova demanda. A quantidade de produtos para o cuidado dos cabelos cacheados e crespos tem aumentado significativamente, além do surgimento de técnicas de cuidados – tais como o low poo (pouco shampoo) e no poo (sem shampoo) – com base nos componentes que constituem os produtos e que podem ou não virem a prejudicar os cabelos.

 

bruna-larissa-entrevistando-acervo-pessoal

Bruna Larissa. Foto: Acervo Pessoal

Assim, cada vez mais as mulheres têm buscado conhecer a composição dos produtos e utilizar outros recursos, além daqueles oferecidos pelo mercado, para cuidarem dos cabelos. Dessa maneira, frutas e verduras tornam-se aliados nestes cuidados. Para Magali, o mercado ainda está se preparando: “eu acredito que o mercado da beleza ainda vai lançar produtos que vão trazer a saúde mais rápida para os cabelos. Você pode ver que há alguns produtos que ainda não conseguem trazer aquilo que as mulheres precisam na verdade, que seriam os cachos com tanta perfeição”, acrescenta.

As escolas de estética também são pilares neste contexto porque são responsáveis pela formação de profissionais da beleza. Camila Gobira, ao assumir seus cachos, também começou a investir em produtos para cabelos crespos e a se interessar pela cultura afro, técnicas de cortes e tratamentos especializados para cabelos crespos, além de ter ampliado o seu público alvo ao incluir os homens. Com mais ênfase, ela assume que “hoje, vendo meu serviço com a minha imagem cheia de atitude. Ajudo pessoas a se libertarem de modismos e de padrões estéticos”.

As amizades e as redes sociais

Como a família brasileira costuma ser tradicional e se enquadrar em estereótipos pré-estabelecidos quando o assunto é cabelo, normalmente as adolescentes e jovens costumam buscar força nas amigas e amigos para se encorajarem e assumirem os cabelos e suas origens étnicas.

Jacquelline relatou que “em 2011 entrei na Uesb e descobri um mundo diferente, conheci pessoas de todos os tipos, inclusive meninas que se amavam e se aceitavam do jeito que realmente elas eram. Meninas que me mostraram que não precisavam alisar o cabelo para se enquadrarem num padrão de beleza”. Assim, a jovem que, na época tinha 18 anos, começou a cogitar a possibilidade de não alisar mais o seu cabelo. Ela ainda completa “Jéssika Layanne, minha amiga, foi crucial nesse processo, me adicionou no grupo Cacheadas em Transição no Facebook, e cada vez, mais fui tomando consciência do que eu queria”.

Nesse sentido, a decisão acaba se iniciando por experiências que vão além do âmbito familiar e, para tanto, é necessário que os meios também favoreçam essa possibilidade de se ver no outro e refletir sobre si próprio.

No caso do estudante de Jornalismo, Joslei Sandro, as críticas foram menos negativas em relação a família e sua mãe está resolvendo assumir os próprios cabelos crespos em decorrência da atitude do filho. Além do mais, o estudante salientou que “quando você vê uma pessoa negra de cabelo crespo, você acaba se reconhecendo nela. Minha irmã também assumiu os cabelos crespos depois que deixei meu cabelo crescer”.

Os blogs e grupos nas redes sociais são fundamentais neste processo de autorreconhecimento. A blogueira Mayra Carvalho foi uma das pessoas que influenciou outras tantas jovens a se reconhecerem enquanto donas de um cabelo tão bonito. Ao retirar toda a química do cabelo, Mayra e uma amiga resolveram contar um pouco da sua sensação de liberdade para outras pessoas que passaram pelo mesmo processo e para aquelas que ainda optavam em manter os cabelos alisados. “Resolvemos falar sobre receitas, fazer desabafos e contar para todos como nosso cabelo estava lindo e crescendo a cada dia”, salientou.

O blog escrito por Mayra Carvalho e Lu Rosário chama-se Não Alisa e, de acordo com as blogueiras, o nome advém de uma duplicidade de sentido por referir-se a uma expressão popular cujo sentido não dá espaço para atos de preconceito. Além do mais, Não Alisa – como próprio nome também já diz – é uma forma de expor sua vontade de ser contrária ao liso e manter os seus cabelos com a definição com o qual nascera.

Nos diversos grupos das redes sociais, em especial o Facebook e o Whatsapp, mulheres de diferentes idades compartilham a sua experiência e imprimem sensibilidade, amor próprio e liberdade em cada publicação. Desse modo, os comentários em cada uma delas apontam para uma vontade que surge de forma mais intensa em relação ao desejo de se apresentar do jeito como elas realmente são.

O grupo Cacheadas em Transição, no Facebook, possui aproximadamente 205 mil participantes e o número de mulheres e homens interessados por esse universo aumenta a cada dia. No Whatsapp, existe o Encrespa Conquista. Este é um movimento de mulheres que surgiu em Vitória da Conquista, em 2015, e se mantém na rede social. Nesse grupo, as mulheres se ajudam em relação aos preconceitos, aos produtos capilares e as angústias do dia a dia.

Amor próprio

A mudança externa está sempre relacionada a interna. Assim, quando alguém resolve mudar o cabelo, a tendência é que o interno também passe por uma reformulação. Neste caso em questão, os cabelos recuperam as suas raízes e vão contra o processo que tem regido a sociedade.

Lorena Arruti, estudante pré-vestibulanda, acredita que sua vida mudou totalmente após retirar toda a química que alisava os seus cabelos. Isso aconteceu aos 10 anos porque ela queria o cabelo liso por achá-lo mais bonito, comportado e fácil de arrumar. Além disso, as colegas na escola tinham os cabelos menos volumosos e isso fazia com que ela se sentisse diferente. Lorena, atualmente, diz: “Eu me sinto confiante e feliz porque agora eu posso ser quem eu sou de verdade. Quando eu me olho no espelho, eu vejo uma pessoa que está bem consigo mesma, pois ela venceu a timidez e o medo de assumir o que é dela”.

Esta mudança de olhar também foi relatada por La Lunna MC, a qual afirmou que a “visão de mundo parece que mudou depois que eu me libertei da química, eu me senti mais leve, passei a amar cabelos crespos e cacheados e me senti uma pessoa completamente renovada, como se tivesse sido purificada, realmente foi algo libertador”.

 

La Lunna MC. Foto: Ian Santiago

La Lunna MC. Foto: Ian Santiago

 

A psicóloga Ludmilla Rios afirma: “Quando a gente fala desse período que o indivíduo se sente seguro mudando a sua parte física, a gente se refere a uma conquista dele. Nós temos várias crenças, que são conceitos passados pelos nossos familiares e pela sociedade, que as pessoas tomam como verdade e têm muita dificuldade de desconstruir. Através da desconstrução, o indivíduo consegue assumir a sua verdadeira identidade que vem de algo único e muito particular. Então, cada indivíduo possui a sua identidade e consegue atingir a sua autonomia”.

Não diferente do que foi dito por Lorena Arruti e La Lunna MC, Jacquelline confessou que se a mulher não estiver muito consciente do que quer e realmente fortalecida, ela acaba se arrependendo por ter se desfeito dos cabelos lisos. “À mulher sempre foi ensinado que, para ela ficar bonita, tinha que se submeter a um processo químico. Numa sociedade em que o cabelo bonito é só o liso, enfrentar toda uma concepção é REALMENTE ENFRENTAR O MUNDO”, exprimiu de forma enfática.

Para mostrar este enfrentamento e demonstrar todo este amor próprio que as permeiam, 15 meninas participantes do grupo Encrespa Conquista se reuniram para um ensaio fotográfico nas ruas de Vitória da Conquista. Bruna, uma das incentivadoras, disse que “a ideia foi mostrar que somos lindas e do jeito que somos sem seguir padrão de beleza. Por isso que cada uma foi no seu estilo e com seu jeito próprio de se vestir”.

Um dos fotógrafos, José Abisolon, contou que “foi muito interessante ser convidado para fotografá-las. Ter a oportunidade de contribuir com o empoderamento feminino é a desmitificação de que cabelo crespo é cabelo ruim”. Ele acrescenta que “durante todo o dia, as meninas estavam radiantes e trocavam muitos elogios entre si”.

Por ser uma também uma forma de enfrentamento, Joslei Sandro confessou ter assumido seus cabelos crespos como um modo de se manifestar politicamente e de incomodar as pessoas que tinham preconceito. “Apesar de ser um ato político de resistência, hoje em dia é mais tranquilo porque eu aprendi a me gostar e me reconhecer assim”.

No entanto, ainda existem muitas mulheres que se reprimem ao não se aceitarem encrespadas ou por trabalharem em lugares onde o liso é uma imposição. Para a profissional especializada em cabelos crespos, Magali Araújo, “ainda é preciso que essas mulheres mudem os seus pensamentos em relação as suas origens”. Cabe a nós, mantermos a vitalidade dos movimentos a favor dos crespos e considerar que toda beleza é válida e é única.

Um assunto que acomete as mulheres e atinge os homens é a danada da TPM, Tensão Pré Menstrual, que parece alterar todos os hormônios e nos deixar à flor da pele. Entretanto, há quem a desconheça e, por isso, saia dizendo que qualquer ato inconsequente seja TPM ou mesmo que qualquer mulher nervosa esteja neste estado. É por esse e outros motivos que me senti na obrigação de escrever sobre esse tema, além de também tê-lo como sugestão de uma leitora.

Como o próprio nome diz, a Tensão Pré Menstrual é um certa tensão antes do período menstrual  que, mais precisamente, inicia-se 15 dias antes da bendita descer ou, como em boa parte dos casos, uns 2 dias antes dela surgir, permanecendo até seu fim. Essa tensão configura-se como uma série de sintomas que se manifestam antes da menstruação e tendem a sumir junto com ela.

 

pag2

Imagem: http://www.operacaometamorfose.com/tag/tpm/

Caso tais sintomas permaneçam após a menstruação, então é preciso descobrir o que ela realmente tem porque já não é mais TPM. E outra! Não há remédio para essa tensão, há remédios que atuam diretamente nos sintomas como em qualquer outra situação. Além do mais, a mudança de humor é o que atinge a todas indiscriminadamente.

A serotonina é uma substância produzida pelas células nervosas que atua sobre o nosso humor e, durante o ciclo menstrual, há uma queda dessa produção devido a oscilação dos nossos hormônios. Apesar disso, nem todas as mulheres são acometidas por isso porque se a serotonina estiver bastante em alta, ou seja, se você estiver muito feliz, então talvez essa substância não caia tanto.

Em uma entrevista de Drauzio Varella à Mara Diegoli, médica e coordenadora do Centro de Apoio à Mulher com TPM do Hospital das Clínicas da USP, ele afirma a questão da diferença no comportamento fisiológico entre as mulheres, pois enquanto algumas sofrem muito nessa fase, outras não sentem nada. A médica, então, salienta três fatores para explicar isso. O primeiro seria o fator hereditário, depois o externo porque depende da situação pela qual se está passando para haver a manutenção ou queda da serotonina e, por último, o fator endógeno que diz respeito a sensibilidade que se tem às mudanças hormonais. Sexualmente, os níveis de estrogênio e progesterona inexistem durante o período menstrual.

choro-600x221-21

O estrogênio é responsável por deixar a mulher mais sensual até atingir a libido no 14º ou 15º dia após a menstruação. Nessa fase, ela ovula e sua libido vai lá em cima – uma delícia! Depois disso, o nível de estrogênio começa a cair e eleva-se a progesterona, responsável pela preparação da mulher para a gravidez. Só que nós, em nossa modernidade, interrompemos o processo que poderia nos conceder um filho e, assim, menstruamos e zeramos o estrogênio e progesterona que poderia haver em nós. É a queda do estrogênio e elevação da progesterona que provoca os famosos sintomas da TPM.

Durante a TPM, quase mulher nenhuma está disposta a relações sexuais. Portanto, homens, aquietem-te e as deixem sossegadas porque a culpa de tanta depressão e stress não é delas e sim do seu organismo. E mulheres, busquem se conhecer, conhecer seu próprio corpo e suas alterações antes e após menstruar porque assim é possível evitar situações desconfortáveis, ta bom?

 

Nunca tive dúvidas dos meus pudores. A minha seriedade apontava esse fechar-se que meu corpo, intimamente, permitia. E quando tudo era fogo, eu sempre preferi neutralizar minhas energias. O meu pensamento parece uma sombra a me carregar com todo o aparato que a chuva requeria.

Eu sempre tive muitos pudores, independente do dia. Seja sol, chuva, dia ou noite. Em mim, sempre houve um estranhar o outro em primeira instância. Apesar de ser tempestuosa por dentro, via toda preparação como uma fase necessária ou uma forma de me acalmar as vontades para que a entrega completa fosse. Quando esta fugia ao meu controle, sentia-me transbordar a loucura que me preenchia.

Tenho pudores até certo ponto, que seria até quando a confiança no outro se estabelecesse. Meus pudores limitam minhas posições, meus traquejos, minhas maneiras. Dentro de todos, alguém de quem eu não tinha pudor e que representa tudo o que de mim tornou-se em pudor nenhum. Para todos os outros, a vontade por um desejo contínuo e uma reciprocidade que só o corpo pode entrever.

 

Caso queiram ouvir, disponibilizo o áudio deste pequeno texto escrito há dois anos:

 

A Pessini Cosméticos foi uma das marcas de produtos eróticos que me recebeu muito bem durante a Erótika for Business. Lembro-me de ter sentado em seu stand, ter conversado e me sentido super à vontade. Além disso, meu nomezinho está na revista Sexyterapia – cuja campanha lhe rendeu um prêmio como melhor marketing na Premiação da ABEME – Associação Brasileira do Mercado Erótico e Sensual. Meu nome está lá sendo indicado enquanto blog junto às indicações de palestrantes e orientadoras sexuais de diversos estados do Brasil. Que prazer o meu, hein?

Durante o evento, uma das novidades foi a pena de pavão. Linda de viver e sexy até não poder mais. Ah, e o mais gostoso é que eu ganhei uma. Já fiquei pensando em quem eu iria atacar, como seria esse passar de pena sobre o corpo alheio e se eu resistiria caso a passassem em mim..hummmm.

A Pessini é dessas que vai além e, por isso, também fabrica produtos para o cabelos e para o corpo. Pensando numa linha “home care”, lançou a linha “TODA TOP”. O shampoo é sem sal e não contém parabenos – foi bem este bonito da imagem que eu recebi. Além do mais, os produtos desta linha  possuem óleo de argan e vitamina E em sua composição que, combinados, proporcionam força, nutrição e hidratação aos cabelos.

Agora me diz aí: como não querer conhecer um pouquinho mais sobre essa marca, hein?

 

14925355_1461306703896832_3919273242292439987_n

 

Quero parabenizar a Pessini pela premiação e agradecer mais uma vez pela ótima receptividade. Espero que a gente se encontre em breve!

Era sábado, 16 horas. Um dia normal como outro qualquer. Estava bisbilhotando minhas redes sociais quando me deparei com uma publicação dela.

Algo estava errado. Carla, uma amiga de infância, dizia estar triste. Como tenho aproximação com ela, resolvi chamá-la no bate-papo.

-Carla, como vai? Você está bem? – Perguntei preocupado.

-Ola, pra falar a verdade me sinto péssima. Terminei o meu namoro. Ele me tratava como um lixo e eu não aguentava mais.

Eu, solícito a fazer ela se sentir melhor, a convido para sair comigo e descansar a cabeça. Ela aceita o convite e assim fui buscá-la. Primeiramente, levei Carla até minha casa, onde ela poderia desabafar e contar tudo que houve.

Ela não sabia, mas sempre tive desejo por ela. Há muito tempo aquele jeito meigo, seus cabelos ruivos e sorriso inocente me encantavam sempre que a via.

Após alguns minutos de muita conversa, Carla não parava de chorar. Soluçava entre cada lágrima que caía de seus olhos. Enxuguei cada gota que caía em seu lindo rosto e lhe disse o seguinte:

– Não se sinta inferior. Para falar a verdade, você é uma mulher maravilhosa, o homem que ter você e valorizar seus sentimentos será o mais sortudo do mundo.

– Jura? – ela perguntou

– Sim, tenho certeza de cada palavra que disse. – respondo

Após ter dito isso, ela agradeceu e não disse mais nada. Eis que nossos olhares se encontram e um clima começa a rolar. O meu rosto involuntariamente se aproxima ao dela. Sinto o calor dos seus lábios se aproximando dos meus. Era inevitável. Beijei Carla com todo o meu prazer. Ela parecia se sentir a vontade com aquilo e me abraçou com vontade. Retribuía todo o carinho com carícias na nuca e em seu rosto. Aquela expressão de tristeza desapareceu e cedeu lugar a de prazer e desejo.

Aquele momento parecia algo surreal. A mulher que mais desejei entregue aos meus braços. Vestia uma camiseta branca de alça e um short jeans que a deixava maravilhosa.

Durante o beijo, senti que aquilo poderia ir mais além. Minhas mãos foram escorrendo de seu rosto a sua cintura. Minha boca foi diretamente a sua nuca. Ela ficava cada vez mais ofegante com cada palavra que dizia ao seu ouvido.

– Não disse que quem tivesse você teria sorte? Agora vou retribuir essa sorte com todo meu prazer.

Após dizer isso abri o botão de seu shortinho e ela estava com uma calcinha fio dental vermelha, perfeita para o meu plano.

Coloquei devagar minha mão dentro da calcinha e sentia ela molhada de tanto tesão que Carla sentia. Comecei a dedilhar sua boceta bem devagar, fazendo tirar a sua blusa e seu sutiã. Seus seios eram médios e com os mamilos rosadinhos. Sem perder tempo, comecei a chupá-los. Ela já se sentia nas nuvens e suas mãos tiraram meu pau pra fora da calça. Que masturbação maravilhosa. Suas mãos num movimento de vai e vem esquentavam o meu corpo. Após isso nos viramos e fizemos um 69 gostoso. Minha língua fazia movimentos circulares em seu clitóris e a chupava sentindo o gosto de seu sexo. Do outro lado ela gemia abafada com a boca engolindo meu pau, onde ele pulsava por mais prazer.

Deitei na minha cama e ela se coloca por cima. Meu membro era prensado enquanto ela rebolava e gemia com tanto tesão. Após isso, ela encaixa ele na sua boceta e começa a cavalgar.

Que delícia. Eu dentro dela e sentindo ela bem apertadinha em mim. A intensidade era forte. Cada cm do meu pênis se traduzia em gemidos de prazer por ambos os lados.

– Come sua amiga de infância, vai! Não era isso que você queria. Agora você a tem. Toda cheia de tesão. Ai, fode gostoso. Fode sua amiga.

A cada gemida, o meu prazer aumentava e após vários minutos e posições gozamos juntos.

No fim, nossos corpos estavam rendidos ao cansaço, mas felizes e completamente excitados.

Após esse dia, Carla continuou frequentando minha casa a fim de transar comigo, se tornando mais que uma amiga, uma amizade na cama.

Marcelo Lopes, mineiro.