O dia estava quente, a roupa leve sobre o corpo e as mãos não paravam. Havia muito trabalho, muita fome e sede para fazer tudo a contento e terminar o dia com passos descompassados. Aquela coisa de leveza, de dança e de liberdade sussurrava em meu ouvido com uma angústia alegre. Meu dia estava antitético. Não havia nada marcado, meu cabelo estava desgrenhado, minha pele ressecada – mas eu pensava: nada que um óleo de banho não resolva. E, assim, sorria porque era sexta-feira e no dia seguinte e no outro não trabalharia. Era certo que os próximos dias seriam de filme e delícias que iria fazer..nhaminhami.

Ops. Havia uma coisinha importante: era o dia do orgasmo. Ela sabia que era só uma data comercial e que não seria por ser tal dia que iria transar e ter um orgasmo, afinal, já havia tido um na semana passada com um P.A. lindo. Uia. Ainda assim, para não ficar de fora, compartilhou nas redes sociais para que todos aproveitassem o dia da melhor forma possível e compartilhou a hashtag #diadoorgasmo várias vezes no Twitter, inclusive disse que iria curtir muito a noite e sugeriu vários orgasmos. Quem a via falar, acreditava que sua noite seria de multiplicidades.

À noite, chegou em casa doidinha pra ligar a tv. Colocou na Netflix e assistiu uma animação de Tim Burton – Frankenweenie. Inclusive morreu de amores, achou lindo de morrer e, logo depois, dormiu. Não teve orgasmos. Mas, no outro dia, ela amanheceu amando o tudo porque era sábado (dia de não trabalhar: vale a pena salientar!). E, assim, desejou bom dia para todos os seus amigos virtuais e whatsappianos. Todos pensavam que ela tinha tido uma noite de selvagerias, ela não deixava claro o contrário.

Assim como ela, muita gente deixou transpor isso e, por seu exemplo, desconfiava de todos. Com tudo isso, pensava que um dia dedicado a isso era apenas um dia como qualquer outro. Dias de orgasmo acontecem de repente, dia e hora marcada é para os fracos.

Não é a primeira vez que conheço um cara e em meio ao nosso papo, em alguma rede virtual, ele me envia uma foto de ostentação do seu símbolo de virilidade. Juro que não sei quantas vezes foram que eu recebi fotos de pau com câmera posicionada em ângulo estratégico para ampliá-lo, engrossá-lo e torná-lo mais ostentoso porque, é claro, há quem pense que eu defina a macheza de um homem pelo seu tamanho. E mais: há quem acredite que a fotografia cubra meus anseios em pegar, sentir, provar, experimentar, saborear. Mas eu me pergunto: até onde vai essa onda de nudes redirecionados para um sexo virtual?

O sexo está muito mais implícito em imagens erotizadas sem mostrar tanta intimidade. Ele está entre conversas picantes e sem necessidades de descrições tão explícitas. O sexo está, principalmente, nas relações de maior cumplicidade e com todas as segundas e melhores intenções insinuadas. Em outras palavras, imaginar o outro em todas as gostosuras escritas e em fotos menos explícitas é o suficiente para um gozo e orgasmos.

Em alguns casos, a exposição é algo extremamente necessário para que o outro se sinta bem. Situações como essa costumam ser externalizadas e, é claro, que as compreendo bem. Caso contrário, olho pra foto do trem do moço e penso: E agora? Minha calcinha não molha nem um pouquinho, simplesmente vou ver outras coisas e pronto. Quer saber deixar uma mulher molhadinha? Então seja sutil, use as palavras ao seu favor, mostre-se sensualidade. Assim, você ganha a moça e se garante. A mesma coisa digo para vídeos ou para expressões do tipo: “Bati uma punheta pensando em você” ou “hoje à noite a homenagem será sua”. Que homenagem, cara? Homenagem mesmo é me desejar uma ótima noite e me deixar um beijo. O que você faz na velocidade 6 só interessa a você, ta? Pega as dicas de Luzinha que você passa no teste. Beijos, gatos!

Sério: eu pensei isso dia desses quando me olhei no espelho e refleti tudo o que sou em questão de poucos minutos (se chegou a um minuto). Sabe aquele flash que de repente dá e você consegue perceber tudo o que há de negativo nos outros e, em paralelo, pensa que a pessoa perfeita seria aquela justamente igual a você? Fala a verdade: isso é muito amor próprio. Fazer essa reflexão vale muito a pena e faz perceber que alguns dos nossos erros podem ser mudados e outros podem, simplesmente, ser aceitos por quem nos sirva de tampa. Afinal, toda panela precisa ser tampada nem que esta seja uma frigideira.

Sendo assim, vou logo dizer que, quando me vi, descobri que tenho um sorriso bonito, logo sou bonita. Sou negra, tenho cabelos crespos cortados curtinhos em um ato de coragem e personalidade. Uia, atos assim são excitantes. Portanto, tenho a personalidade forte – daquelas de não mudar fácil de opinião e de buscar não se atingir por línguas ferinas (talvez de inveja por não conseguir realizar pequenos disparos de liberdade). Sou livre sexualmente do tipo que topa qualquer parada, apesar de ter pudores. Dou risadas altas quando sinto vontades. Provoco conforme as necessidades. Mas tenho um lado de pura repressão e se alguém souber chegar chegando, bem possível romper tais algemas. Isso também soa excitante, apesar de não ser uma tarefa fácil.

Eu namoraria comigo mesma quando me deparo com todo esse universo que me forma e percebo que sou melhor do que imaginava e que se alguém não vê isso é porque está meio cego dum ou dos dois olhos. E quando passo por você e sinto que não me enxerga, continuo passando e também me viro pra não ver aquele que não sabe admirar a beleza rosariana despudorina. Oh, do mesmo modo que me refiro a mim… peço que faça esse exercício com você e, caso se sinta à vontade, pode publicar aqui nos comentários ou até mesmo compartilhar no Facebook a partir do comente daqui. É bom que todos saibam o quanto você se ama. Se alguém torcer o nariz, empine o bumbum e siga. Somos uma delícia, disso não tenho dúvidas.

Tem gente dizendo que é moda assumir os próprios cabelos em muitos cachos. A partir de agora tornou-se moda ser original no sentido literal da palavra. Quem aqui é mulher com cabelos crespos que nunca passou um alisantezinho no cabelo, deu uma escova, passou uma prancha ou caiu na escova progressiva, gradativa, marroquina e laralá? Se você nunca caiu nas garras da tentativa de ter os cabelos lisos ou menos volumosos, então já te dou o primeiro trofeu aqui do Pudor Nenhum, afinal, resistir a tudo isso numa sociedade onde beleza está associada aos cabelos lisos é coisa de guerreira e de personalidade fortíssima, além de mostrar que sua família é tão forte quanto você para que não a tornasse diferente quando criança.

A maioria das mulheres já alisaram o cabelo, senão quando criança…um pouco mais tarde, diria na adolescência, para se achar mais bonita e atrair os olhares dos meninos. Construídos sócio, histórico e culturalmente, os cabelos crespos possuem sua origem num povo que fora escravizado no período colonial do Brasil e cujos descendentes sofrem preconceito até hoje. Enquanto brasileiros, somos uma mistura entre negros, europeus e índios. Nossa pele e fios de cabelo variam imensamente em tonalidades e texturas, permitindo que sejamos tão diferentes umas das outras ou uns dos outros. Porém, preza-se a lisura ostentada pelo europeu e o preconceito do que foge a este padrão se acentua todos os dias e dos mais variados modos, até mesmo por aqueles que também carregam cabelos crespos.

Com essa tendência maravilhosa de assumir os cachos e reconhecer seus próprios cabelos sem químicas nem bobeiras, muitas mulheres têm buscado força na outra para mostrar o porquê veio ao mundo. Algumas preferem e se encorajam no BC (Big Chop), que significa cortar todo o cabelo para retirar toda a química. Além disso, formas de se cuidar do cabelo tem sido divulgadas nas redes sociais. Já que os salões de beleza não possuem a opção de cuidar de cabelos crespos, então o compartilhamento de produtos e experiências ajudam para que este cuidado comece em casa.

 

Organizadoras do Encrespa Conquista, em Vitória da Conquista - BA. Fotografia: Ernaque Al Majida Jr.

Organizadoras do Encrespa Conquista, em Vitória da Conquista – BA. Fotografia: Ernaque Al Majida Jr.

 

Responsáveis por um domingo com muitas encrespadas, o evento Encrespa Conquista aconteceu antes de ontem em um local lindo no bairro Sinhorinha Cairo. Todas elas tomaram um banho de autoestima para que pudessem compreender que preconceito algum deve abatê-las e que a força deve vir de dentro. Viver escrava da opinião alheia e com medo de suar, sair no vento, na chuva ou até mesmo tomar um banho na praia ou piscina é sufocante. Saber que o cabelo é seuzinho da silva não tem preço.

Para ser linda de verdade, a única coisa que se deve ter em mente é ser você mesma sem tirar nem por. É vestir o que te deixa mais a vontade, é usar acessórios ou não – isso é o que menos importa, é sorrir desmedidamente e se aceitar do jeitinho que veio ao mundo, sem neuras. E dizer que isso é moda chega a ser engraçado. Se for moda mesmo, estou (ou estamos) seguindo a tendência e não vou (vamos) sair dela nunquinha, não é?

Para saber mais sobre o Encrespa Conquista, acesse a página no Facebook e o Instagram. É lindinho e promete outros eventos na cidade. Para saber como anda a empolgação de quem resolveu mostrar os cachinhos, futuque bastante a internet- não faltam fan pages, blogs, sites e canais no You Tube com ótimas dicas. Lembre-se que a sensualidade que vai emanar de você quando se sentir plenamente a vontade consigo mesma é algo incomensurável.

Aos homens, sintam-se à vontade para fazer o mesmo. Fiz esse texto voltado para as mulheres porque sabemos, claramente, que elas são as mais atingidas. Homem tem aquela coisa de cortou e tá lindo. Nós é quem somos elas nessa tal de vaidade e de feminilidade que nos toma. Pois então, liberdade – a partir de agora – é o que nos define.

É bem provável que você não conheça este livro, afinal, o autor só teve repercussão com ele. John Cleland é um escritor do século XVIII que, segundo a sua biografia, foi preso por causa de dívidas e, enquanto estava na prisão, revisou e o enviou para publicação. Considerado o primeiro romance erótico da modernidade, Memórias de uma mulher de prazer (popularmente conhecido, na época, como Fanny Hill) foi um marco na luta contra a censura erótica porque os editores e os impressores foram presos e acusados de obscenidade. Infelizmente, o escritor teve que abdicar do livro e, a partir de então, surgiram edições piratas que passaram a divulgar os escritos.

Cleland foi compreendido como pornográfico na época ao narrar as aventuras de uma jovem, em sua iniciação sexual e no decorrer de sua vida. Além da escrita detalhada e marcada por retrato de cenas consideradas “imorais”, na década de 1760 começaram a surgir versões ilustradas e foi isso, principalmente, que lhe atribuiu o cunho pornográfico. Este material iconográfico, inclusive, inviabilizou discussões objetivas acerca do romance no século XIX e este apenas foi reconhecido pela crítica há pouco tempo.

Uma das ilustrações de Fanny Hill ou Memórias de uma Mulher de Prazer

Uma das ilustrações de Fanny Hill ou Memórias de uma Mulher de Prazer

Fanny Hill ou Memórias de uma Mulher de Prazer conta a história de uma jovem de quinze anos, cujos pais falecem e, por isso, vai para Londres em busca de uma vida melhor. Lá, ela acaba indo parar em um bordel e apaixona-se por Charles, fugindo com ele. No entanto, ele precisa deixar a cidade e ela fica sozinha – deixando a insegurança de lado e tornando-se uma cortesã bem requisitada pelos homens… até que casa-se novamente com um homem rico e descobre que está sendo traída. Como troco, entrega-se aos prazeres com um criado e é pega em fragrante. Financeiramente melhor, volta para uma casa de satisfações sexuais e finge perder a virgindade novamente… até casar-se novamente, seu marido falecer e ela enriquecer a base da sua herança. Após alcançar a independência financeira, Fanny lembra-se de Charles – o rapaz com quem perdeu a virgindade e apaixonou-se pela primeira vez ou, pode-se dizer, seu primeiro e único amor.

Mais do que um enredo belíssimo, Cleland traz em minúcias os enlaces sexuais – não apenas de Fanny Hill, mas também daquelas que habitavam a casa em que ela conviveu por um tempo. Tais enlaces também referem-se à orgias e momentos entre homossexuais. Tudo isso serviu como um tapa na cara da igreja (e, ai, esse tapa foi uma delícia!). Escrito em dois volumes, apresenta-se em forma epistolar (ou seja, você lerá duas longas cartas). Desse modo, lemos confissões e adentramos ainda mais nesse mundo de prazeres sexuais. Quer saber? Vale super a pena lê-lo.

Quem me apresentou a Cleland foi um amigo lindo. Com uma dedicatória mais linda ainda, apaixonei-me logo nas primeiras páginas deste livro. E outra: não é coisa de outro mundo achá-lo para comprar e também não é caro, dei uma pesquisada por aí justamente para lhe dizer isso, ok? Boa leitura e próximo mês tem outra indicação deliciosa por aqui!

Dedicatória feita em meu livro por um amigo que, inclusive, me presenteou com ele.

Dedicatória feita em meu livro por um amigo que, inclusive, me presenteou com ele.

Sem ter nem pra quê,

sou entrega constante e lisongeira.

Apego-me aos detalhes,

rasgo inteira as minhas vontades.

 

Sem eira nem beira,

lasco-lhe um beijo,

ranco um pedaço de toda essa sua coragem

em buscar sentidos nas frestas de adrenalina.

 

Como todo desatino,

concedo gozo,

sou tesão desmedida

em braços, pernas e amassos.

 

Quase 2 anos e 5 meses juntos. Ele com 27 e ela com 28 anos; ele baiano (mas viveu a vida toda em Natal, então convenhamos que já é um natalense), ela natalense nata; ele filósofo e ela professora de língua portuguesa – juntos fazem o encaixe perfeito das palavras em sintonia com o pensamento. Antônio Lázaro Vieira Barbosa Junior (impossível não lembrar o nome dele todo, ele faz questão de expor o sobrenome por aí!) e Laryssa Oliveira são dois jovens cheios de energia e que compartilham muito amor em um relacionamento considerado não convencional e que, por isso, ainda atrai alguns preconceitos. Você pode, inclusive, chamar de R.A. se preferir. O relacionamento aberto é uma forma de viver a dois que exige, mais do que tudo, confiança e segurança no outro. Sabendo disso e querendo entender como deslanchou essa relação, batemos um papo delícia pelo Facebook e veja aí o que rolou!

Depois de toda a introdução bestagística, chego ao ponto.

Eu: Mas sim, eu queria que falassem como vocês chegaram a conclusão de se relacionar dessa forma. Quem sugeriu e qual foi a reação do outro.

Ele: Na verdade, não foi sugestão. As coisas já começaram abertas.

Ela: Então, eu nunca tinha realmente pensado em R.A. até eu terminar o meu relacionamento anterior. Eu namorei quase 10 anos, monogâmica. Só que o relacionamento teve seus altos e baixos… eu trai, fui traída… enfim.

Ele: Mas, de certa forma, quem deu o empurrãozinho fui eu.

Ela: Daí eu queria tentar algo diferente e acabou que Lázaro e eu começamos a conversar sobre isso, né amor? Isso antes de ficarmos. E já começou aberto.

Ele: Num dia (domingo) a gente conversou a respeito; no outro dia, ficamos. Laryssa diz que quando a gente se encontrou, ela não tava pensando em ficar comigo e que as coisas apenas aconteceram lá. Já minha versão é que ela tinha algum interesse, manifesto no dia anterior.

Ela: Mimimi.

Ele: Mas só tive certeza quando rolou o beijo.

Ela: Já eu só tive certeza um tempo depois.

Eu: Kkkkkkkkkkk

Eu: E mais uma pergunta: não é porque é R.A. que é de qualquer jeito, ao léu, né? Vocês possuem regras, quais sao? são duas perguntinhas aí..haha.

Ele: Bom, regra regra a gente tem duas bem básicas: uma é ter disposição pra discutir a relação sobre tudo. No início, era sobre os sentimentos um do outro. Com o tempo, falamos sobre filhos (Laryssa que tocou nesse tópico), planos futuros (meu doutorado, o mestrado dela)…

Ela: Lázaro era meio fechado… ele não conversava sobre seus próprios sentimentos, a gente teve um quase problema por causa disso. Poxa, eu era novara nessa história de R.A.

Ele: Isso quase nos custou o relacionamento, pura frescuragem da minha parte.

Ela: E eu comecei a ficar insegura porque eu achava que tava sentindo algo mais forte, mas ele não parecia ter isso. Pelo contrário, ele fortalecia a minha insegurança falando sobre outras meninas (eu não lembro se foi bem isso… minha memória é horrível).

Eu: E resolveram isso a partir do momento que ele começou a se abrir?

Ela: Com certeza. Eu coloquei ele na parede… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ele: Comecei a me abrir? Laryssa me botou no fio da navalha.

Ela: Falei que o amava. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. mas deu certo.

Ele: Eu me abri de uma vez.

Eu: Pronto, deixou a frescura de lado!

Ele: Claro que ainda levei tempo a trocar chamego (em forma de palavras), mas no dia seguinte já soltei um “te amo” pra ela.

Ela: Aí deu certo \o/

Ele: Aí deu MUITO certo. Lembro que a primeira vez que chamei ela de “meu amor”, ela ficou toda saltitante.

Eu: E qual o maior desafio nesse tempo todo?

Ela: O maior desafio…? Pergunta difícil porque tem sido muito gostoso esse tempo. Passo pra lázaro essa!

Ele: Eu cheguei numa vibe meio Terezinha (Maria Bethânia)

O terceiro me chegou como quem chega do nada

Ele não me trouxe nada também nada perguntou

Mal sei como ele se chama mas entendo o que ele quer

Se deitou na minha cama e me chama de mulher

Foi chegando sorrateiro e antes que eu dissesse não

Se instalou feito um posseiro dentro do meu coração

Eu: Vocês tiveram problemas ou algum questionamento (por algo) que em algum momento fizeram vocês quererem voltar atras pelo fato de terem levado a relação assim?

Ela: Não, nunca. Pelo menos, eu não.

Ele: Nunca. Pelo contrario, quanto mais o tempo passava, mais tínhamos certeza de que seria inviável uma recaída na monogamia e, quanto ao desafio do relacionamento, na verdade, o desafio tá mais na relação da gente com a sociedade.

Eu: Humm..fale mais sobre isso, Lázaro. Sobre como a familia vê isso.

Ele: Sobretudo da parte de Laryssa. Minha mãe é de buenas, minha irmã também.

Ela: Hum… a coisa é que a não-mono tem a ver com posicionamento político e não somente o nosso relacionamento. A gente questiona a monogamia e isso é o que gera a reflexão que não conseguiríamos ser mono.

Ele: Meu pai e meu irmão nunca questionaram nada, mas aceitaram nosso relacionamento de cara.

Ela: Minha família é bem ranzinza com isso. Eles sequer legitimam como não-monogamia o que nós temos, é como se fossemos um casal mono “comum”.

Eu: É um pensamento conservador, típico da nossa sociedade – infelizmente.

Ela: Pois é.

Ele: Um dos problemas que pensamos, nesse sentido, é com relação a filhos.

Ela: E no trabalho? Foi bem estranho também. A galera simplesmente não aceita.

 

Ele: Vi isso num grupo aqui do Face – uma mulher perdeu a guarda do filho por se relacionar com dois homens ao mesmo tempo.

Ela: Eu vi também.

Eu: Eu imagino, por isso toquei nas regras….porque as pessoas imaginam isso mesmo: que é algo de qualquer jeito, sem respeito algum ao outro.

Ele: Aí entra a segunda regra: a gente não comenta as escapulidas um com o outro. Até chegamos a conversar a respeito no início do ano.

Ela: Escapulida parece que o que a gente faz é errado…

Ele: Mas, em princípio, o acordo é esse, bocó.

Ela: Nossos relacionamentos paralelos é mais bonito u.u

Ele: Tem nada de errado, eu tava pensando nessa expressão também.

Ela: Faltou aspas, mas ta de boa… kkkkkkkkkkkkkkkk

Ele: haiouehaioehuauiehoaiheuaheouiahe

Ela: É, não comentamos! E pelas experiencias em que vazou a informação, a coisa não foi legal. Não desestabilizou o relacionamento, mas também não ajudou. Ajuda o fato de que nenhum dos dois nutre o ciúme que possa vir a sentir.

Eu: Eu acho isso muito legal..o sentimento de posse do outro não é bacana.

Ele: Nem um pouco. Nós ficamos suuuuuuuuuuuuper desconfortáveis quando acontece qualquer aperreio.

Ela: Mas a gente se ouve e isso é mais importante. Por mais que se sinta algum resquício de posse – somos vulneráveis, a sociedade imbrica isso na gente, a gente nunca deixa a coisa sem ser desconstruída.

Eu: Isso é ótimo, Lary. Desse jeito, o relacionamento é mais saudável.

Ela: Tem dado certo.

Ele: Tem dado MUITO certo.

Eu: Muito bom falar com vocês, espero que um dia eu encontre alguém assim também…pra levar a vida com a liberdade que nos é inerente.

 

Depois do bate papo, ainda houve muitas risadas. E aí, o que vocês acharam, de boa ou chato? Achei interessante vocês perceberam por meio da fala deles o quanto nossa sociedade é cheia de preconceitos e sustenta um moralismo cujas raízes deveriam ser arrancadas. Este casal lindo é a prova viva de que a liberdade entre duas pessoas é a desconstrução mais linda que pode haver. Depois dessa, aceito um brinde e duas cachacinhas no ponto. Ah, aceito uma investida também, viu? Oh, daquelas!

11719941_936910649702153_1783870404_n

Casal de liberdades e afeto